Gabeira pede desculpa pública por frases sobre Brasília

Um pedido público de desculpas aos moradores de Brasília. É o que foi obrigado a fazer o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), que ficou com a imagem arranhada junto aos brasilienses depois de ter declarado que, na noite da capital federal, só há prostitutas, lobistas e parlamentares. Ícone da esquerda brasileira e da luta contra o preconceito, Gabeira foi pessoalmente ao encontro do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (PFL), na sede do governo, na cidade-satélite de Taguatinga, e depois divulgou uma carta com um pedido formal de desculpas pelas declarações.No encontro, Gabeira prometeu ajudar numa campanha para mudar a imagem que Brasília tem no resto do Brasil, associada à corrupção política, escândalos sexuais, corporativismo e desvios bilionários de dinheiro público.Brasilienses e moradores da capital se sentiram ofendidos pela comparação desastrada e enviaram ao deputado, nos últimos dois dias, cartas e e-mails protestando contra a afirmação do deputado. Em resposta, Gabeira escreveu uma carta reconhecendo o erro. Revelou que vai escrever um livro sobre Brasília e prometeu, a partir de agora, visitar os locais mais importantes da cidade. A carta foi publicada no blog do deputado e enviado a todos que escreveram e-mails reclamando da atitude do parlamentar.A declaração de Gabeira foi publicada na página de frases da revista Veja desta semana. Ela foi pinçada de uma entrevista de mais de oito horas que o deputado deu à revista Playboy e estará nas bancas em fevereiro. "A todos que se sentiram ofendidos com essas afirmações, peço desculpas e esclareço que não queria transmitir a idéia de uma cidade devassa, mas apenas uma característica de capitais, em que, muitas vezes, lugares noturnos apenas prolongam o trabalho", diz Gabeira na carta aos brasilienses."Há dez anos que procuro entender a cidade, embora ainda tenha muito que estudá-la antes de escrever algo mais apropriado sobre ela. No fluxo da conversa, não me movia nenhuma hostilidade aos que vivem e trabalham aqui", completa ele.Na carta, Gabeira lembra inclusive que recebe e discute transparentemente com lobistas e que viveu ao lado de uma zona de prostituição. "As prostitutas tiveram um papel fundamental na minha educação, protegendo-me e orientando-me em situações perigosas."Em entrevista ao Estado, Gabeira disse que "evidentemente" não tem uma visão moralista dos moradores de Brasília, mas admitiu que não freqüenta a noite da capital, onde fica, "no mínimo", três dias por semana. O governador do DF brincou, dizendo que, como "penitência", daria ao deputado o cargo de "embaixador" responsável por mudar a imagem de Brasília no resto do País. Arruda chegou a lembrar que Gabeira, depois de ter voltado do exílio, teve coragem de ir à praia usando uma sunga de crochê.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.