Gabeira é a aposta de José Serra para disputa do governo do Rio

Apoio a candidatura de deputado facilitaria aproximação de Marina ao PSDB em um eventual segundo turno

Alfredo Junqueira, de O Estado de S.Paulo,

30 de setembro de 2009 | 17h27

Mesmo com o apoio declarado à senadora Marina Silva (PV-AC) no primeiro turno da eleição presidencial do ano que vem, o deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ) é a aposta de José Serra para a disputa do governo do Rio no ano que vem. Tucanos paulistas consideram que nenhum integrante do PSDB fluminense teria peso eleitoral suficiente para garantir um palanque forte para Serra no estado, que é o terceiro maior colégio eleitoral do Brasil.

 

Além da possibilidade de Gabeira abrir seu palanque para dois candidatos no primeiro turno (Serra e Marina), o apoio a sua candidatura facilitaria a aproximação de Marina ao PSDB em um eventual segundo turno em 2010, segundo a expectativa dos tucanos. A preferência nacional pela candidatura de Gabeira, no entanto, sofre resistências da direção estadual do partido no Rio, que optou por ter candidato próprio e lançou o prefeito de Duque de Caxias e presidente regional do PSDB, José Camilo Zito.

 

Um deputado do PSDB paulista próximo a Serra, referindo-se ao possível apoio simultâneo do deputado do PV a Marina e Serra, disse que o que acontece no Rio tem uma visibilidade nacional e que a candidatura de Gabeira seria uma boa solução de palanque para Serra, apesar da ambiguidade da política. Segundo este parlamentar, não faz sentido o PSDB lançar candidato próprio se Gabeira decidir pela disputa ao governo. No entanto, sem esta definição, o PSDB não tem como impedir o lançamento do nome de Zito, considerado precipitado até por tucanos do Rio.

 

Com a entrada de Marina no PV em agosto, Gabeira passou a assumir discurso de candidato ao governo, mas ressalta sempre que só disputará se contar com o apoio dos partidos que participaram de sua campanha à Prefeitura do Rio no ano passado, quando foi derrotado no segundo turno por Eduardo Paes com diferença inferior a 2%. Além do PSDB, Gabeira contou com o apoio do PPS e do DEM, este apenas no segundo turno.

 

"O PSDB do Rio considera que pode e deve ter um candidato. Eles não querem entrar numa coligação na qual terão um papel secundário. Eles estão se sentindo ameaçados de desimportância e estão fazendo esforço para aumentar seu protagonismo", avaliou Gabeira, que confirmou ser o candidato favorito de Serra durante solenidade de homenagem a Marina Silva na Câmara Municipal do Rio, na segunda-feira. O parlamentar não quis comentar as posições divergentes entre Serra e a direção do PSDB fluminense. "Não posso arbitrar nem comentar uma questão interna de outro partido", disse.

 

Na terça-feira, Zito esteve em Belo Horizonte para conversar com o governador de Minas Gerais e também pré-candidato do PSDB à presidência da República, Aécio Neves. Em princípio, o prefeito de Caxias evitou falar se preferia Aécio ou Serra, mas deixou a diplomacia de lado quando soube que tucanos próximos a Serra afirmaram sua preferência por Gabeira. "Eu tenho que respeitar a opinião do Serra. Como eu também acho que a melhor campanha do Brasil seria a do Aécio. Então, também tem que respeitar a minha opinião", reagiu, irritado.

 

Zito disse que "o Serra não está sendo muito inteligente. O Gabeira estava aqui (no Rio) de mãos dadas com a Marina. Daqui a pouco, ele também vai querer apoiar o (prefeito de Nova Iguaçu e pré-candidato do PT ao governo do Rio) Lindberg Farias".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.