Gabeira acredita que será possível enquadrar petistas

Passados 70 dias da apreensão do dinheiro que seria usado na tentativa de compra do dossiê contra tucanos, o deputado federal Fernando Gabeira (PV-RJ), integrante da CPI das Sanguessugas, tem uma certeza: "se houver algum enquadramento dos envolvidos neste caso, será por crime eleitoral". O que, segundo ele, pode ser feito mesmo se não for descoberta a origem do dinheiro. "É possível enquadrá-los por formação de caixa dois". Na Polícia Federal já há quem admita que, sem descobrir a origem do dinheiro, será difícil indiciar criminalmente os envolvidos. O delegado Diógenes Curado, responsável pelas investigações pretende recorrer a exame pericial para saber se as informações que possui são suficientes para afirmar que parte dos dólares apreendidos saiu da Agência de Turismo Vicatur, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, por meio de "laranjas". Ele entrega à Justiça Federal, na próxima segunda-feira, um relatório sobre as investigações já realizadas.No relatório, Curado mostrará os indícios de envolvimento dos petistas na tentativa de compra do dossiê, a começar pela apreensão dos R$ 1,7 milhão, com os petistas Gedimar Passos e Valdebran Padilha em um hotel, em São Paulo, em 15 de setembro. Há ainda os vídeos gravados pelo hotel que mostram Hamilton Lacerda - ex-coordenador de campanha do senador Aloizio Mercadante - levando uma bolsa que foi entregue a Gedimar.Para a polícia, a mala continha dinheiro. Lacerda diz que carregava boletos de recolhimento de dinheiro para a campanha presidencial de Lula. A versão não se sustentou pois os boletos não foram encontrados no hotel, e dois petistas - o então presidente do partido, Ricardo Berzoini e Mercadante, o ex-candidato ao governo paulista - afirmaram não ser atribuição de Lacerda arrecadar verbas para campanhas. Segundo a PF de Mato Grosso, até mesmo o crime eleitoral poderia ser descaracterizado, bastando que algum candidato assuma na sua prestação de contas à Justiça Eleitoral, os R$ 1,7 milhão como doação para campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.