G20 diz que sucesso da Rodada Doha ainda é possível

Reunido em Genebra, grupo reafirma importância da agricultura como ponto central.

BBC Brasil, BBC

15 de novembro de 2007 | 16h15

O G20, grupo que reúne os países em desenvolvimento com interesse na abertura agrícola na Rodada Doha da OMC (Organização Mundial de Comércio), afirmou nesta quinta-feira, após reunião em Genebra, que ainda considera possível chegar a um acordo para uma conclusão bem-sucedida das negociações."Uma Rodada exitosa está ao nosso alcance", afirma a nota oficial divulgada após a reunião de ministros e altos funcionários em Genebra, coordenada pelo ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim.O grupo reafirmou que a agricultura é o elemento central da Rodada Doha. "A agricultura determinará o ritmo e o nível de ambição das negociações nesta Rodada", diz o comunicado. "Este é um imperativo político decorrente do compromisso assumido em Doha de colocar agricultura e desenvolvimento no centro do sistema comercial multilateral", acrescenta.Na avaliação do G20, a luta contra a pobreza requer uma Rodada Doha exitosa e equilibrada, já que grande parcela da população dos países em desenvolvimento vive da agricultura.Os integrantes da reunião também destacaram que é importante que os países desenvolvidos e em desenvolvimento ofereçam contribuições proporcionais para a liberalização do comércio."Os países desenvolvidos são os responsáveis pelas maiores distorções e restrições no comércio agrícola e devem assumir a responsabilidade que decorre desse fato", afirma a nota divulgada pelo grupo.O G20 defende o fim dos subsídios oferecidos aos agricultores de Estados Unidos, União Européia e Japão. Já os países desenvolvidos querem redução das tarifas de importação de produtos industriais nos países em desenvolvimento e maior acesso ao mercado no setor de serviços.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
genebraamorimomcg 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.