Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Fux verbalizou a defesa da democracia e, sem dizer, dirigiu-se a Bolsonaro; leia análise

Importância da declaração institucional do presidente do STF não foi apenas o conteúdo. Foi ter falado

Joaquim Falcão, O Estado de S.Paulo

02 de agosto de 2021 | 20h51

A importante novidade da fala institucional do presidente Luiz Fux não foi apenas o conteúdo. Foi ter falado. O que é incomum. Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) fala institucionalmente apenas em fevereiro. Na abertura do ano judiciário. Não no meio.

No segundo semestre de 2019, o então presidente Toffoli não fez pronunciamento. Disse apenas: “Bom retorno aos trabalhos”. Em 2020, Toffoli também não fez pronunciamento. Disse apenas: “Manifestamos nosso pesar pelo falecimento de já cem mil brasileiros vítimas da pandemia... Iniciaremos os trabalhos com...”.

Agora mudou.

A voz institucional do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do ministro Luís Roberto Barroso, levou o presidente Bolsonaro a confessar que não tem provas de fraude nas eleições. Estimula o Supremo a falar.

Fux, além do inusitado falar, o fez em duas línguas. Em duas vozes distintas. Uma voz verbalizou uma melodia “dolce”: a defesa da democracia liberal clássica. Cantou a independência dos Poderes, a necessidade de instituições sólidas, do diálogo, da valorização da mídia. Reconheceu também a importância da voz das ruas. Tabu e medo para muitos. Finaliza com a necessidade hoje do Brasil, guia da interpretação constitucional: vacina, emprego, comida na mesa.

A outra voz foi o que se chama na música clássica de “bocca chiusa”. Cantar com boca fechada. Falou sem dizer. A melodia emitida deixa de ser “dolce”. É tempestuosa. Dirigiu-se claramente a Bolsonaro “con fuoco”, com fogo, vivo e agressivo.

As palavras ditas revelam. O Supremo não aceita impunidade. Não aceita o sorrateiramente agir. Nem o veladamente. Não aceitará ataques. Não admitirá atos que corroem a democracia. O Supremo será plenamente vigilante. Falar será o começo do agir?

Não é preciso citar Bolsonaro para falar com Bolsonaro.

* PROFESSOR DE DIREITO CONSTITUCIONAL E MEMBRO DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.