Nilton Fukuda/ ESTADÃO
Nilton Fukuda/ ESTADÃO

Futuro ministro do Meio Ambiente tem forte atuação pelas bandeiras da direita

Fundador do movimento Endireita Brasil, Ricardo Salles foi Secretário do Meio Ambiente de São Paulo

Daniel Weterman e Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

09 Dezembro 2018 | 22h22

O advogado Ricardo Salles, de 43 anos, foi secretário particular do ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) antes de ser indicado para ocupar a Secretaria do Meio Ambiente. Na época filiado ao PP, Salles adotou, desde o princípio, o discurso da gestão eficiente, regramentos simples e celeridade nas políticas ambientais. Também sempre foi um crítico do que chamava de “ideologização” na área.

Fundador do movimento Endireita Brasil ele se filiou ao partido Novo, pelo qual concorreu a uma vaga na Câmara dos Deputados. Sua campanha foi marcada pela defesa da redução do Estado, de privatizações, do endurecimento da legislação penal, além de fortes críticas ao PT. Ele obteve 36.603 votos e não conseguiu ser eleito.

Uma das peças publicitárias de sua campanha a deputado neste ano causou polêmica. Na imagem, aparece uma foto de munições de fuzil e as mensagens: contra a praga do javali; contra a esquerda e o MST; contra o roubo de trator, gado e insumos; e contra a bandidagem no campo. A propaganda foi desautorizada pelo próprio partido de Salles. Em abril, foi um dos organizadores da manifestação que pediu a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na Avenida Paulista.

Salles é advogado formado pelo Mackenzie, com pós-graduação pelas Universidades de Coimbra e Lisboa, além de especialização em administração de empresas. Ocupou a vice-presidência da Câmara Oficial Espanhola de Comércio no Brasil, foi diretor jurídico da Sociedade Rural Brasileira e conselheiro e diretor do Instituto Brasileiro de Concorrência, Comércio Internacional e Relações de Consumo (IBRAC). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.