Futura subcorregedora estaria envolvida no caso TRT-SP

A corregedora-geral da União, ministra Anadyr de Mendonça Rodrigues, enviou hoje ao presidente Fernando Henrique Cardoso a nomeação da subprocuradora geral da República, Delza Curvello Rocha, para compor sua equipe. Delza, que será a subcorregedora-geral do órgão e terá como função analisar processos ilícitos no Executivo, é apontada por colegas da procuradoria como uma das responsáveis pela liberação de verbas para a construção superfaturada do prédio do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo (TRT-SP). A indicação da subcorregedora-geral derverá ser publicada no Diário Oficial nos próximos dias.No último dia 30, Delza foi inocentada pela Corregedoria Geral do Ministério Público das acusações feitas por procuradores paulistas. Pesava sobre ela a acusação de ter permitido o desbloqueio de R$ 12,9 milhões em 1998 para a construção superfaturada do prédio do TRT-SP. Na época, a subprocuradora presidia a Câmara de Patrimônio do Ministério Público e cassou recomendação feita por procuradores paulistas de evitar a liberação da verba, afirmando que tal medida só poderia ser adotada por meio de decisão judicial.Os procuradores paulistas recorreram ao Conselho Institucional do Ministério Público contra a decisão da Câmara de Patrimônio e cassaram a determinação de Delza. A procuradora foi acusada de não ter dado publicidade a essa decisão do conselho e com isso, não barrar a liberação dos recursos.A decisão da corregedoria geral do Ministério Público terá de ser ainda analisada pelo Conselho Superior. O Inquérito Administrativo contra Delza foi aberto em 1998, na Corregedoria Geral do Ministério Público, a pedido de nove procuradores de São Paulo. No inquérito, os procuradores questionam a revogação feita por Delza e pelo também procurador Washington Bolívar de Brito Júnior de recomendação do MP de São Paulo para que não fosse liberada verba para a obra do TRT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.