Werther Santana/Estadão (18/9/2018)
Werther Santana/Estadão (18/9/2018)

Fusão DEM-PSL terá candidato em 2022, mas apoio a Bolsonaro será livre nos Estados, diz ACM Neto

Alinhamento de nova legenda com governo deve reproduzir atual modelo do DEM, que tem dois ministros e boa parte das bancadas no Congresso na base aliada, mas se apresenta como independente

Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2021 | 11h57

BRASÍLIA - O novo partido que sairá da fusão entre PSL e DEM não será governista, segundo afirmou ao Estadão ACM Neto, que assumirá a função de secretário-geral da legenda em formação. Atual presidente do DEM, ele diz, no entanto, que a sigla "não criará constrangimentos" a filiados e diretórios que decidam apoiar o presidente Jair Bolsonaro.

A postura é semelhante à do DEM hoje. Oficialmente, a sigla não integra a base aliada, mas tem dois ministros no governo (Onyx Lorenzoni e Tereza Cristina) e maioria das bancadas na Câmara e no Senado alinhada ao Palácio do Planalto.

De acordo com ACM Neto, um dos objetivos da fusão — que deve criar uma das maiores legendas da atualidade — é lançar candidato próprio ao Palácio do Planalto em 2022. "A gente acha que nasce com musculatura suficiente para isso", afirmou. O dirigente partidário ressaltou que, apesar disso, os diretórios municipais e regionais da nova legenda ficarão livres para apoiar outros candidatos. "(Ter candidatura própria a presidente) Não significa que a gente pretenda estabelecer qualquer tipo de constrangimento para as lideranças e figuras do partido que eventualmente em seus Estados tenham uma situação distinta da nacional".

O novo partido será presidido pelo atual presidente do PSL, Luciano Bivar. A fusão das duas siglas, caso concretizada, terá as maiores quantias dos fundos eleitoral e partidário e o maior tempo de rádio e televisão para a eleição de 2022. O dinheiro será consequência de a nova sigla ter a maior bancada da Câmara, com 81 deputados, que também terá força para definir os rumos dos projetos da Casa. Além disso, a legenda terá três governadores e sete senadores.

Como fica a situação de ministros do governo Bolsonaro, como Onyx e Teresa, na nova sigla? O partido vai lançar uma candidato contra o atual presidente?

Essa discussão sobre a sucessão presidencial só poderá ser feita depois que o partido for constituído. Em respeito ao correto procedimento e tempo das coisas. Primeiro a gente tem que consolidar a fusão, tem que criar esse novo partido, estabelecer as regras da fusão e depois a gente vai discutir sucessão presidencial. Agora, o objetivo desse novo partido é o de ter candidato próprio a presidente da República. A gente acha que nasce com musculatura suficiente para isso, para ter candidato próprio a presidente da República. O que também não significa que a gente pretenda estabelecer qualquer tipo de constrangimento para as lideranças e figuras do partido que eventualmente em seus estados tenham uma situação distinta da nacional. A ideia, a priori, nossa é ter um projeto nacional e, na medida do possível, conciliar as questões locais sem constrangimentos. Esse é o nosso horizonte mais provável.

A Executiva do DEM já aprovou que a união com o PSL prosseguisse. O que falta para a fusão sair do papel?

Agora a gente tem que que nos próximos dias fechar questão burocrática, de estatuto, das regras de governança, nome, número para então a gente fazer a convenção que acontecerá em outubro com certeza. As (datas) mais prováveis são 5 ou 19 (de outubro) porque a semana do meio é 12 de outubro, que é feriado, é difícil fazer em uma semana de feriado.

Resistência regionais já foram resolvidas? Em São Paulo, com Alexandre Leite, no Rio, com Sóstenes Cavalcante, e em Pernambuco, com Mendonça Filho, o DEM resiste a abrir mão de comandar os diretórios estaduais para dar lugar ao grupo do PSL. 

A grande maioria das questões estará resolvida até a convenção. Outras questões não estarão e as que não estiverem vão continuar sendo tratadas posteriormente sempre no espírito de buscarmos consenso e o que pode ser o projeto mais forte e competitivo para o próximo ano. Na medida que os dois partidos se tornarem uma coisa só, o objetivo é comum, ou seja, o que é que cada estado pode trazer de mais musculatura e mais força.

Luciano Bivar vai ser o presidente do novo partido?

Hoje as conversas são nesse sentido, Bivar como presidente e eu como secretário-geral. O partido tendo decisões colegiadas e compartilhadas, ou seja, todas as decisões internas terão que passar por uma apreciação colegiada da comissão instituidora do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.