Fundo ajuda a acabar com 'tumor' no gasto, diz ministro

Para o ministro da Previdência, Garibaldi Alves, a aprovação do projeto que cria um fundo de previdência complementar para os servidores públicos será o primeiro passo para acabar com o maior "tumor" das contas públicas: o gasto com a aposentadoria do funcionalismo. "O problema essencial da Previdência são os 960 mil (servidores aposentados) dando um déficit maior que os 28 milhões (de beneficiários do setor privado). Que Brasil é esse? Não dá", disse o ministro durante almoço promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais (Lide), em São Paulo.

DAIENE CARDOSO, Agência Estado

13 de dezembro de 2011 | 17h00

No evento, Garibaldi afirmou que o governo gasta R$ 199,4 bilhões com os aposentados da iniciativa privada, R$ 55,5 bilhões com os aposentados do setor rural e R$ 56 bilhões com os funcionários públicos aposentados. "Enquanto 28 milhões dão um déficit de R$ 42 bilhões e tem um teto de aposentadoria de R$ 3.691,00, os outros 960 mil dão um déficit de R$ 57 bilhões e até pouco tempo tinham aposentadoria integral", criticou. Segundo o ministro, se o governo não conseguir estancar o rombo do setor previdenciário, o déficit deve crescer 10% por ano. "Não é ainda a reforma ampla desejada, mas é um passo seguro", considerou.

O plenário da Câmara deve votar amanhã o projeto de previdência complementar para os novos concursados. O projeto, que não vale para os servidores da ativa, prevê que o governo contribua com uma alíquota de 7,5% ou até 8% no fundo de pensão e o servidor arque com outros 7,5% ou mais. "A Previdência só vai tomar jeito se os parlamentares disserem sim ao projeto", apelou.

Durante sua palestra, o ministro disse que o governo vem atacando as fraudes contra a Previdência através de planejamento e modernização do sistema. Embora a época de "fraudes espetaculares" tenha acabado e a Previdência ainda sofra "fraudes todos os dias", Garibaldi avalia que outro problema a ser sanado é o que chamou de "fraudes legais". "As fraudes não são apenas as ilegais, são as legais, que são feitas escancaradamente", apontou.

O ministro incluiu no conceito os casos em que o trabalhador faz poucas contribuições à Previdência, morre e deixa uma viúva recebendo pensão. "Por conta disso, como não há limitação, pensão no Brasil virou uma esculhambação. Essa que é a verdade", condenou. Garibaldi citou situações em que o doente se casa no leito de morte para garantir o benefício à companheira. "(A mulher)Só precisou mesmo pegar na mão do velhinho", disse, arrancando risos dos empresários. Segundo o ministro, o Estado gasta R$ 46 bilhões com o pagamento de pensões. "Isso não pode ser tolerado", afirmou.

Outro episódio mencionado por Garibaldi foi o caso de uma procuradora de Justiça que recebia R$ 20 mil mensais e passou a ganhar mais R$ 20 mil de pensão pela morte de seu marido, que também era procurador. "Isso é que é fraude. Isso é fraude consentida", disse.

No evento, Garibaldi - que é senador licenciado pelo PMDB - ironizou a "rotatividade" de ministros no governo da presidente Dilma Rousseff. "É preciso, mais do que nunca, dizer que estou ministro. Se disser que sou ministro vou incorrer num sério risco", ponderou. À vontade entre os empresários, o ministro não poupou críticas ao sistema previdenciário diferenciado para servidores e disse que se estivesse discursando para eles, poderia dar por encerrada sua trajetória pública. "Se eu tivesse falando para funcionário público minha carreira política seria interrompida".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.