"Fundamentos de Malan são sólidos como gelatina diet"

O governador do Rio, Anthony Garotinho (PSB), criticou hoje a política econômica do governo federal e o ministro da Fazenda, Pedro Malan. "O ministro Pedro Malan vive repetindo coisas para ver se as pessoas acreditam", afirmou. "Uma das coisas que vive repetindo é que os fundamentos da economia brasileira são sólidos".Segundo Garotinho, a afirmação não corresponde à realidade, pois o Brasil tem as maiores taxas de juros do mundo, o câmbio está sem controle e há déficits nas balanças comercial e de pagamentos. "Os fundamentos da economia brasileira do ministro Pedro Malan são sólidos como uma gelatina diet", declarou em Porto Alegre.Garotinho disse que a sua pré-candidatura é "propositiva" e mencionou algumas idéias no campo econômico. "Vamos manter a estabilidade, não a política econômica," disse. Ele defendeu o fim da CPMF e a concessão de subsídios à agricultura e à indústria nacional. Também pregou a queda contínua da taxa de juros até atingir os padrões internacionais e a adoção de bandas cambiais. "A taxa de juros está ligada à opção preferencial do governo pelo sistema financeiro", afirmou.O governador evitou mencionar nomes de possíveis aliados ou dos principais adversários, preferindo usar mensagens indiretas. "Tem certos candidatos de oposição que dizem que são contra o governo, mas defendem a manutenção da CPMF", declarou. "Sou uma oposição experimentada", afirmou, lembrando a trajetória política desde a eleição para deputado estadual, aos 25 anos. "Numa eleição presidencial, é um risco apoiar candidatos que não tenham nenhuma experiência administrativa", observou, numa citação velada dirigida ao presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva.Em relação a possíveis alianças, Garotinho disse que a tendência do PSB é contar com um ou dois pequenos partidos no primeiro turno. O governador afirmou que está conversando com o PL, um alvo de interesse também do PT. Hoje, Garotinho recebeu dirigentes do PL gaúcho, após uma reunião com empresários. Em Bagé, sul do Estado, ele participou de um ato de filiação partidária.Garotinho cancelou a agenda que teria nesta quinta-feira no Rio Grande do Sul para viajar ao Ceará, onde participará da filiação do presidente da Assembléia Legislativa do Estado, Welington Landim, ao PSB. Conforme Garotinho, ele será candidato a governador, tendo um candidato a vice-governador indicado pelo PT e o nome ao Senado sairá do PC do B.Sobre as dificuldades de comportar alianças regionais entre legendas que têm candidaturas presidenciais diferentes, Garotinho apresentou uma fórmula. "O palanque tem de ser de quem estiver no Estado naquele período", afirmou. "Se eu venho aqui ao Estado, o PSB vai estar fazendo a minha campanha e os companheiros do PT vão abrir o palanque, como nós vamos fazer em outros Estados", sugeriu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.