Fundação Zerbini deixará outros programas de saúde pública

O Conselho Curador da Fundação Zerbini decidiu, por unanimidade, desvincular-se de todos os programas em saúde pública que administra. O objetivo é agilizar o processo de reestruturação e diminuir as despesas administrativas. ?A direção da Fundação Zerbini inicia agora conversações com as prefeituras dos municípios de São Paulo e Osasco, coordenadoras de alguns dos programas, para negociar as rescisões?, informou comunicado distribuído à imprensa nesta quinta-feira, 23. A expectativa do conselho é de que até dezembro todas as rescisões de contratos estejam negociadas e a fundação se volte exclusivamente para o apoio financeiro ao Instituto do Coração de São Paulo (Incor-SP). Outra decisão do conselho, aprovada na quarta-feira última, 22, foi o de abrir um processo de licitação para contratar uma empresa para auditar contratos e prestação de contas de todos os programas e projetos administrados pela fundação desde 2001. Segundo o comunicado, o início do trabalho da auditoria independente vai começar imediatamente e se estenderá por 40 dias. ?A atual gestão da Fundação Zerbini, empossada entre dezembro de 2005 e junho deste ano, tem forte caráter saneador e está tomando medidas concretas, transparentes e planejadas para recuperar a saúde financeira da Zerbini e sua missão. Nosso compromisso é com a transparência e com o retorno para a sociedade brasileira, beneficiária e investidora na excelência do Incor?, diz no comunicado o médico Jorge Kalil, presidente do Conselho Curador da fundação e do Conselho Diretor do Incor.Ainda segundo o comunicado, já está em andamento o processo de criação de uma nova fundação, que vai gerenciar o Incor de Brasília. A Fundação Zerbini foi criada em 1978 com a missão de dar apoio financeiro ao Instituto do Coração do Hospital das Clínicas, em São Paulo. A entidade é responsável por gerenciar os recursos captados pelo Incor na prestação de serviços de saúde a pacientes do SUS, de convênios e particulares, assim como na execução de pesquisas e na formação e aprimoramento de profissionais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.