Fundação Care começa a atuar no Brasil

O Brasil passou a ser, a partir desta segunda-feira, o 12º País a contar com a Fundação Care, organização de origem norte-americana que trabalha com a erradicação da pobreza em seu território. Como passos iniciais no País, a Care optou por trabalhar em três assentamentos em Itacaré, no sul da Bahia, para melhorar as condições de produção agrícola e venda de produtos.Também atua no Complexo da Maré, um conjunto de 16 favelas no Rio, com o objetivo de identificar formas de geração de renda para que a comunidade possa garantir seu próprio sustento. Na Bahia, em parceria com 12 outras entidades, a Care trabalha para aumentar a renda de 210 famílias de marisqueiros (pescadores de mariscos) e agricultores recém-assentados em projetos de reforma agrária.Para um futuro breve, estão previstos projetos na região norte do Piauí, uma das mais pobres do Brasil, e no Estado de São Paulo.Segundo o presidente do conselho consultivo da entidade, o sociólogo Bolívar Lamounier, a proposta da organização não-governamental (ONG), fundada em 1955, é contribuir com as iniciativas já existentes para a construção de um País sem pobreza.De acordo com dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a renda de um rico brasileiro equivale a 30 vezes a de um pobre. "Colaborar na educação de crianças de 4 a 6 anos e em programas de geração de renda são as nossas prioridades", afirmou o diretor da Care, Marcos Athias Neto.Atualmente, a Care estuda, junto com um grupo de bancos, as possibilidades de concessão de micro-crédito para pequenos empreendedores. Para os próximos três anos está previsto o investimento de R$ 18 milhões em projetos próprios e participação em iniciativas de parceiros, sempre com parceria de empresas.Para marcar o lançamento da Care no Brasil, a agência McCann Ericsonn, que trabalha de forma voluntária para a organização, preparou filmes publicitários para divulgação pela televisão. A Care também desenvolve projetos em países como Bolívia, Cuba, Equador, Haiti, Honduras, Nicarágua e Peru.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.