Funcionários do BC ameaçam entrar em greve contra reforma

Cerca de 4,6 mil funcionários da do Banco Central irão paralisar suas atividades amanhã em todo país, em protesto contra a reforma da Previdência. Segundo presidente do Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central, Sergio Belsito, greve é contra o que ele chamou de "desmonte do BC". Belsito afirmou que serão realizadas manifestações nas 10 regionais do BC, e que a paralisação é uma advertência ao governo pela falta de estrutura humana e financeira que impedem o BC de cumprir suas atividades.De acordo com o presidente do sindicato, o BC sofre uma evasão de servidores experientes e a situação poderá se agravar com a atual proposta do governo para a reforma da Previdência. "Cerca de 800 funcionários dos 4,6 mil devem deixar o banco este ano para evitar as novas regras da aposentadoria, e 1,5 mil nos próximos três anos. Ou seja, em pouco tempo o banco poderá ter apenas 2,5 mil funcionários para manter suas principais funções", disse Belsito. Os protestos também serão organizados nas principais capitais do país, principalmente, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Em Brasília, sede do BC, os funcionários participarão da marcha com outros servidores até a Praça dos Três Poderes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.