Funcionários da Sudene fazem protesto

Os funcionários da Sudene suspenderam suas atividades e ocuparam o décimo-terceiro andar da autarquia, onde funciona a superintendência, em protesto contra a extinção do órgão. Eles irão se reunir com o superintendente Wágner Bittencourt para saber sobre a real situação dos servidores e como funcionará a agência de desenvolvimento que irá substituir a Sudene. Dependendo do resultado do encontro, eles poderão acampar no órgão. A assessoria jurídica da Associação dos Servidores já está de sobreaviso para entrar na Justiça em caso de demissão ou disponibilidade de funcionário.O presidente da associação, José Eleno da Silva, garantiu que haverá pressão sobre parlamentares e governadores para derrubar a Medida Provisória que extinguiu a autarquia. A mobilização começa nesta segunda-feira, quando a Câmara de Vereadores do Recife faz audiência pública contra a medida. "Estamos encarando a extinção como uma queima de arquivo", afirmou o vereador Jurandir Liberal, do PT. "Ao invés de investigar as irregularidades, o governo prefere dar um fim ao órgão".José Eleno da Silva disse que a decisão de suspender as atividades foi tomada em assembléia realizada pela manhã com cerca de 300 servidores, diante da atual inexistência da autarquia. "Não podemos trabalhar para algo que não existe mais", disse ele, ressaltando que a Sudene "não é órgão de ladrão". Ele afirmou que ao contrário da Sudam, na Sudene não há envolvimento de funcionários com desvios de verbas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.