Função era achar CPFs de laranjas

A organização criminosa de Pernambuco investigada pela Operação Turbulência, com ramificações em Goiás e Montevidéu, agia, segundo as investigações, na lavagem de dinheiro repassado a políticos.

Pablo Pereira, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2016 | 05h00

As conexões detectadas pela força-tarefa mostram ligações do grupo com a corrupção apurada na Petrobrás e na refinaria Abreu e Lima, no litoral sul do Estado, também sob inquérito policial.

Até agora, a Polícia Federal já bloqueou mais de R$ 1,6 milhão em contas do esquema. “Os alvos usavam expedientes de testas de ferro e laranjas que sabiam das operações fictícias ou fraudulentas”, afirma Marcello Diniz Cordeiro, superintendente da PF em Pernambuco. “Paulo Morato era um dos que arranjavam laranjas, com CPFs e documento, para abrir contas.” / P.P.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.