Funasa recebe lotes dos EUA de vacina contra a varíola

A Fundação Nacional de Saúde (Funasa), órgão do Ministério da Saúde responsável pela política de imunização no País, está recebendo um lote de vacina contra a varíola - doença já erradicada no Brasil, em 1973, e no mundo, em 1976 - comprada de laboratórios americanos no fim do ano passado. A Funasa não divulga o número exato de doses adquiridas nem detalhes sobre a compra, mas explica que o governo encomendou o suficiente para atender pessoas que chegarem ao País contaminadas. Existe um temor de que terroristas poderiam desenvolver armas biológicas com o vírus da varíola. "Compramos doses para focos isolados. Não faz parte de nossa estratégia vacinar toda a população. Aliás, nem os países desenvolvidos e mais ameaçados estão realmente pensando em imunizar todo mundo", afirma Jarbas Barbosa, diretor do Centro de Controle Epidemiológico da Funasa. O ministério avaliou que não faz sentido voltar a produzir a vacina. "Não há evidências de que a varíola poderia ser realmente ser usada como arma biológica." A varíola é causada por um vírus chamado Pox. No mundo restaram apenas algumas amostras desse vírus guardadas por dois laboratórios governamentais: um nos Estados Unidos e outro na Rússia. O vírus é altamente transmissível e geralmente mata cerca de 30% de suas vítimas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.