Funasa prepara estudo sobre áreas contaminadas

Moradores de Mauá, no ABC paulista, serão objeto de pesquisa da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), que pretende identificar os riscos que a exposição a produtos derivados de petróleo representa para a saúde. "A cidade foi construída em cima de um lixão industrial clandestino", diz o coordenador-geral de Vigilância Ambiental em Saúde da Funasa, Guilherme Franco Netto.Outras cinco áreas contaminadas por inseticitas, metais pesados ou materiais radioativos também serão investigadas. O objetivo da Funasa é desenvolver um modelo de pesquisa epidemiológica em regiões com altos índices de contaminação, pois identificou, num levantamento preliminar, 250 áreas do País em que a população está sujeita a contato excessivo com produtos nocivos à saúde.A maior parte dessas áreas, 180, ficam no Estado de São Paulo e, em alguns casos, a Funasa avalia que é necessário retirar os moradores. Numa estimativa que ainda depende de checagem mais rigorosa, Netto calcula que 10 milhões de brasileiros vivem em meio a resíduos perigosos.O caso mais célebre de contaminação no País ocorreu em 1987, em Goiânia, cidade que integra a lista das cinco primeiras áreas a serem pesquisadas. Ao manipular um aparelho de raios-X desativado, o dono de um ferro-velho abriu a cápsula que envolvia um metal radioativo, o césio 137. Azulado e brilhante, o material encantou as pessoas e algumas chegaram a passá-lo pelo corpo. Quatro morreram de imediato e outros 12 desenvolveram câncer.A Secretaria de Saúde de Goiás estima que 54 moradores da área do ferro-velho foram altamente expostos ao césio, e 46 sofreram uma exposição considerada de média intensidade, além de 516 pessoas atingidas pela radioatividade, mas sem muita gravidade. Em seminário realizado em Brasília, ficou acertado que será ampliado o acompanhamento médico a eventuais vítimas da radiação de Goiânia. Agora, também ficarão sob observação bombeiros, profissionais de saúde pública e funcionários da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) que trabalharam no local em 1987. Vão merecer cuidados especiais, ainda, filhos e netos das pessoas expostas ao césio.Outra região na mira da Funasa é a da Serra do Navio, no Amapá, onde há extração de manganês e arsênio. "O arsênio é cancerígeno e o manganês provoca problemas neurológicos", informa Netto. Bauru, no interior de São Paulo, sofre com outro problema: uma empresa fabricante de baterias provocou contaminação do meio ambiente por chumbo. Santo Amaro da Purificação (BA) também foi afetada por chumbo, mas em conseqüência de atividades de mineração. Já a Cidade dos Meninos, como é conhecido um bairro de Duque de Caxias (RJ), foi afetada por uma fábrica de inseticidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.