André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Funaro é liberado para cumprir prisão domiciliar

O doleiro, preso em um dos desdobramentos da Lava Jato, revelou em delação premiada irregularidades de figurões como o presidente Michel Temer e Eduardo Cunha

Beatriz Bulla, Brasília

19 Dezembro 2017 | 13h54

A 10ª Vara da Justiça Federal em Brasília autorizou que o corretor Lúcio Funaro deixe o Complexo da Papuda para cumprir regime de prisão domiciliar. A audiência aconteceu na manhã desta terça-feira. Ele terá monitoramento eletrônico através de Câmeras que serão instaladas, por ele próprio, na fazenda onde ficará instalado, no interior de São Paulo. Ele também deverá entregar mensalmente à justiça os vídeos das câmeras e a relação das pessoas que entraram para visitá-lo.

Funaro celebrou acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República na reta final do mandato do ex-procurador-geral Rodrigo Janot. Ele implicou políticos e empresários nas suas revelações, entre eles o presidente Michel Temer e o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha. 

O corretor vai permanecer em Vargem Grande do Sul, interior de São Paulo. Na decisão, o juiz Vallisney de Souza Oliveira determinou também que deverá haver uma câmera apta a fazer videoconferências com a justiça, para fiscalização, quando for solicitado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.