Funai teme pela segurança dos índios cintas largas em RO

O representante da Fundação Nacional do Índio (Funai) em Cacoal (RO), Trajano Azevedo, disse hoje temer pela segurança dos índios cintas largas. De acordo com ele, garimpeiros e moradores de cidades como Espigão D?Oeste se tornaram hostis à presença de índios na comunidade. A tribo Cinta Larga é acusada de promover, na semana passada, uma chacina contra garimpeiros que invadiram a reservaindígena Roosevelt em busca de diamante. Há cinco dias, a Polícia Federal encontrou três corpos baleados na área do suposto conflito. O Sindicato dos Garimpeiros de Espigão D?Oeste possui uma lista com o nome de 17 desaparecidos."Muitos índios que moram na cidade, não são guerreiros e nem mesmo sabem o que de fato aconteceu na reserva estão sendoameaçados em Espigão D?Oeste", afirmou o representante da Funai em Cacoal à Agência Brasil. Na tarde de ontem, Azevedo foi acionado pelaPolícia Civil para receber o índio Edmilson Cinta Larga e levá-lo, juntamente com a esposa e os dois filhos, para a reserva indígena.No último domingo, a casa onde o índio mora com a família, em Espigão D?Oeste, sofreu ameaça de invasão por parte de umgrupo de garimpeiros. Policiais militares e civis foram chamados ao local, onde encontraram 25 cartuchos de arma calibre 12 e um cofre vazio. O índio foi entregue à Funai e encaminhado para a reserva.Edmilson não foi o primeiro Cinta-Larga a sofrer ameaças em Espigão D´Oeste após o conflito entre a tribo e os garimpeiros. No sábado (10), o professor indígena Marcelo Kakin Cinta-Larga foi espancado pelos próprios garimpeiros e moradores do município. A Polícia Militar chegou a tempo de impedir um linchamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.