Funai investiga assassinato de criança indígena

Líderes indígenas atribuem o crime a madeireiros que atuam de maneira ilegal nas áreas destinadas aos índios

Roldão Arruda, de O Estado de S.Paulo

06 de janeiro de 2012 | 19h40

Três funcionários da Fundação Nacional do Índio (Funai) viajaram nesta sexta-feira, 6, para o município de Arame, no interior do Maranhão, a 469 km de São Luís. Eles vão investigar a denúncia de assassinato de uma criança indígena. Segundo informações divulgadas pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), ela faria parte de um grupo de índios isolados, da etnia awá-guajá, e teria sido queimada viva.

 

Líderes indígenas ouvidos pelo Cimi atribuem o crime a madeireiros que atuam de maneira ilegal nas áreas destinadas aos índios. O assassinato teria ocorrido entre setembro e outubro do ano passado, na Terra Indígena Arariboia.

 

A Funai classifica como isolados os grupos indígenas que, desde o descobrimento, evitam o convívio com a sociedade nacional e com outros grupos indígenas. Eles sobrevivem da caça, pesca, coleta e agricultura incipiente. Para preservá-los, o Estado brasileiro demarcou várias áreas territoriais, localizadas sobretudo na região Norte.

 

Na Maranhão, na Terra Arariboia, os awá-guajá estão divididos em três grupos, com um total estimado de 60 indígenas. Dividem o território e convivem à distância com os guajajaras, índios já contatados.

Foram os guajajaras, segundo o Cimi, que localizaram o corpo carbonizado da criança. Ele estava em um acampamento abandonado pelos awá-guajá.

 

Clovis Tenetehara, um dos líderes ouvidos pelos missionários do Cimi, relatou que costumava ver os awá-guajá durante caçadas na mata. Os contatos desapareceram, porém, logo depois de ter sido localizado um acampamento com sinais de incêndio e os restos mortais de uma criança.

 

Havia muitos madeireiros circulando pela terra indígena naquela ocasião, segundo os relatos. Acredita-se que o grupo de isolados, num total estimado de 60 indígenas, tenha se dispersado, com medo de novos ataques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.