Imagem Vera Magalhães
Colunista
Vera Magalhães
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fumaça preta

Cutistas e petistas sabem que não falam mais aos setores que lhes garantiam voz e voto

Vera Magalhães, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2017 | 03h00

Os piqueteiros de sexta-feira usaram pneus queimados no lugar de militantes no intuito desesperado de parar o País e demonstrar um inexistente apoio a um modelo de organização sindical que ruiu juntamente com o partido que o forjou, no fim da década de 70: o PT.

A fumaça preta tóxica exalada é um bom símbolo da combustão não só da borracha, mas de algo igualmente poluente: um sindicalismo que, depois de mudar o peleguismo instalado na era Vargas e acentuado na ditadura, chegou ao poder e, nessa condição, não só reproduziu os mesmos vícios corporativos como se tornou sócio de um esquema de pilhagem aos cofres públicos.

Afinal, o braço sindical do PT esteve presente, como cúmplice ou às vezes mentor, nos principais esquemas de corrupção da era Lula-Dilma: mensalão, petrolão, aloprados do dossiê da eleição de 2006, assalto aos fundos de pensão, logro aos cooperativados da Bancoop, negociatas para a criação da Oi, etc.

Havia um esquema nebuloso e uma oportunidade de propina? Era só procurar um ex-líder sindical transformado em lobista ou aboletado numa diretoria de estatal, com um fundo de pensão aparelhado atrelado.

Nada mais natural que, diante da debacle do projeto de poder da plutocracia sindical, esses aparelhos passem a organizar milícias nas ruas para tentar voltar a ter alguma força política.

Mas o tempo passou na janela, e só as carolinas viúvas das greves do ABC não viram. Para além da demagogia de alardear nas redes sociais cada vez mais segmentadas o sucesso de um movimento visivelmente fracassado, os cutistas e petistas sabem que não falam mais aos setores que antes lhes garantiam voz e voto.

Saberiam, caso se dispusessem a ler os sinais, ou pelo menos uma pesquisa realizada pela própria Fundação Perseu Abramo, o braço acadêmico (sic) do petismo.

Essa pesquisa, realizada na periferia de São Paulo para tentar vencer a perplexidade reinante no partido com a acachapante derrota de Fernando Haddad em 2016, mostra com clareza cristalina que os pobres não querem mais ser massa de manobra de greves gerais, pautas retrógradas e governos populistas e/ou corruptos.

Mais: não querem ser clientes eternos de caraminguás dados na forma de programas sociais que passaram a ser apenas meios de fidelizar eleitores pela barriga ou pela promessa de um teto.

Essas pessoas querem empreender, almejam o crescimento pelo mérito e pela educação, não creem na divisão infantiloide entre patrões e empregados – justamente porque ambicionam se tornar patrões pelos próprios meios –, enxergam o estado como um provedor de serviços ruins, fornecidos mediante impostos escorchantes, e estão pouco se lixando se Lula vai para a cadeia ou não.

Essas pessoas, provavelmente, têm restrições à reforma da Previdência, mas não vão às ruas queimar pneus por isso. Sabem por quê? Porque muitas delas nem têm emprego, ou nem começaram a contribuir para a Previdência, uma vez que tiveram o início da vida produtiva ceifado pela maior recessão econômica da história do País, promovida pela irresponsabilidade e pela roubalheira petistas.

Essas pessoas aplaudem o fim do imposto sindical compulsório, que mantém as estruturas sindicais voltadas apenas à sobrevida do lulopetismo e à elite dirigente de sindicatos que não representam ninguém e que não têm nada a oferecer além da bolorenta CLT a trabalhadores do século 21.

Mas quem estava preocupado em incinerar pneus na certa não se deteve em perguntar às “bases” o que, nas reformas, poderia atendê-las. Graças a essa proposital distonia entre o que querem os capos sindicalistas e o que precisam os trabalhadores, o modelo cutista estrebucha junto com seu criador e maior estrela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.