Beto Barata/AE - 10.09.2008
Beto Barata/AE - 10.09.2008

Fruet oficializa saída do PSDB e deve seguir para o PDT

Ex-deputado federal justificou desfiliação em razão de falta de apoio para disputar eleições municipais em Curitiba; liderança tucana tenta minimizar saída

Julio Cesar Lima, especial para O Estado de S. Paulo

13 de julho de 2011 | 17h56

O ex-deputado federal Gustavo Fruet anunciou oficialmente sua saída do PSDB, na manhã desta quarta-feira, 13. Fruet afirmou estar "sem espaço" na legenda e deve migrar para o PDT. Segundo o ex-deputado, o PSDB não demonstrou apoio às suas intenções de disputar as eleições para a Prefeitura de Curitiba (PR) em razão do apoio do governador Beto Richa (PSDB) ao atual prefeito Luciano Ducci (PSB) para a reeleição. "Sempre mostrei disposição para disputar a eleição, mas houve o silêncio do partido", disse.

O futuro de Fruet deverá ser o PDT, do ex-senador Osmar Dias, que já formalizou convite recentemente. O anúncio, porém, deverá ocorrer somente no fim do mês. O deputado Fernando Scanavaca (PDT) deu a indicação de que Fruet está próximo da legenda. "Fizemos o convite e caso ele aceite terá todo o apoio de disputar a eleição para a Prefeitura da Capital", afirmou.

Fruet ficou em terceiro lugar na disputa ao Senado - vagas conquistadas por Roberto Requião (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT) - e foi o candidato mais votado em Curitiba. Apesar da aproximação com o PDT, Fruet também pode ir para o PV ou o PMDB. Caso opte pela legenda peemedebista, porém, encontrará dificuldades, pois uma ala do partido deve apoiar o ex-prefeito de Curitiba, Rafael Greca. Fruet apontou também como motivo de sua saída o fato de ter deixado de disputar a reeleição à Câmara Federal pela vaga do Senado. "É bom lembrar que aceitei a candidatura ao Senado, convocado no prazo final da convenção partidária, mesmo depois de ter essa postulação recusada pelo PSDB, convite que só foi feito quando outra candidatura, de outro partido, não vingou - e abrindo mão da candidatura à reeleição de deputado federal", disse, em carta aberta ao partido.

O deputado estadual Ademar Traiano (PSDB), líder do governo na Assembleia Legislativa, disse que havia um sentimento de decepção pela saída do ex-deputado. "Fui um dos interlocutores dele junto ao governador, demos as garantias para que disputasse as eleições, mas ele preferiu outro rumo. Me senti traído", reclamou.

Nesta quarta, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), minimizou a saída de Fruet. Em abril, o ex-deputado Walter Feldman também anunciou que deixaria o partido. Pouco antes, seis vereadores paulistanos anunciaram a desfiliação do partido em razão de disputas internas no diretório municipal.

Tudo o que sabemos sobre:
saídaFruetPSDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.