Fruet aciona a justiça e barra pesquisa Datafolha

A falta de informações sobre a base de dados para, além da origem dos dados relativos ao grau de instrução e ao nível econômico dos entrevistados foram algumas justificativas apresentadas pelo juiz Luciano Carrasco, do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) para impedir a divulgação dos resultados da pesquisa eleitoral Datafolha/RPC que seria divulgada na noite de terça-feira.

JULIO CESAR LIMA, Agência Estado

11 de setembro de 2012 | 23h10

A decisão pode influenciar a divulgação da pesquisa Ibope, prevista para a sexta-feira e que corre o risco de também ter sua divulgação impugnada. Ele concedeu a liminar de Ação Cautelar pedida pela Coligação Curitiba Quer Mais, que tem à frente o ex-deputado federal Gustavo Fruet (PDT), que concorre à Prefeitura de Curitiba com o apoio do governo federal.

A pesquisa estava registrada sob o protocolo PR-00148/2012 e sua divulgação já esteve ameaçada anteriormente, mas o juiz Marcelo Wallbach Silva, da 1ª Zona Eleitoral de Curitiba indeferiu o pedido de não divulgação da pesquisa, decisão que foi derrubada agora. Caso a decisão seja desrespeitada, a Empresa Folha da Manhã S/A e a Sociedade Rádio Emissora Paranaense S/A estarão sujeitas a multa de R$ 100 mil.

Em seu parecer, o juiz informa os problemas nas origens dos dados. "Não quero aqui afirmar que deva ser utilizada esta ou aquela base de informações (IBGE, PNAD etc), mas, sim, que é necessário que se indique ao menos uma, para que os eleitores e os candidatos tenham acesso e verifiquem a aproximação mínima entre o total que será amostrado e a grandeza que se chegará, pois, se assim não for feito, como será possível que se possa apontar a existência de alguma irregularidade?", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
FruetDatafolha

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.