Frias era um dos ´mais lúcidos homens de imprensa´, diz Lula

Octavio Frias de Oliveira era um dos principais personagens da imprensa brasileira. Com o anúncio oficial de sua morte, na tarde deste domingo, 29, após complicações devido à uma crise crônica de insuficiência renal, diversas autoridades políticas e até colegas de profissão expressaram admiração pelo publisher do Grupo Folha. Para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), "com a morte de Octavio Frias de Oliveira, o Brasil perde um dos seus mais lúcidos e destacados homens de imprensa. Responsável pela modernização do jornal Folha de S. Paulo e pela sua transformação num dos mais importantes órgãos de comunicação do País. O doutor Frias tinha uma personalidade marcante e cativante, que unia simplicidade, dinamismo, inteligência e confiança no Brasil", destacou Lula. O presidente do Tribunal Superior Eleitoral, o juiz Marco Aurélio Mello, também destacou o papel de defensor da informação que transformou Frias em um dos mais admirados empresários da comunicação brasileira. "Foi um defensor da informação fidedigna e com isto contribuiu muito para o fortalecimento da democracia. Deixou um belíssimo trabalho realizado e, logicamente, continuaremos colhendo os frutos deste trabalho", disse.Concorrência com amizadeApesar da concorrência no mercado jornalístico, o acionista, membro do Conselho de Administração e diretor de Opinião do Grupo Estado, Ruy Mesquita, destaca o privilégio de ter sido amigo do publisher da Folha. ?Octavio Frias de Oliveira foi o homem que modernizou a Folha de S. Paulo. Embora não fosse jornalista, transformou a Folha no jornal de opinião que é hoje, sempre no bom combate contra as mazelas da democracia brasileira. Mesmo sendo concorrentes , tive o privilégio de ser sempre seu amigo pessoal, independentemente de eventuais divergências entre nossos dois jornais. Tenho o maior respeito pela sua atuação na imprensa brasileira?.Presidente do Conselho da Administração e da Editora Abril, Roberto Civita também frisou a importância de Frias na modernização da imprensa brasileira. ?Sentiremos muito sua falta. Octavio Frias era um patriota, um democrata, um homem de grande visão empresarial e um dos maiores inovadores da moderna imprensa brasileira?.Veja outras manifestações"Octávio Frias de Oliveira foi uma grande personalidade na história política e jornalística de nosso País. Acolheu nas páginas da Folha toda a diversidade política e ideológica do Brasil. A Folha é um importante jornal que alicerçou o legado do seu trabalho".Ministro da Justiça, Tarso Genro"Octavio Frias de Oliveira conquistou lugar de destaque na história da imprensa brasileira ao sintonizar o jornal que dirigia com os anseios populares de redemocratização do país, simbolizados na campanha pelas "Diretas Já". Essa atitude corajosa, articulada à preocupação com a pluralidade no espaço de seu jornal dedicado à formação da opinião pública nacional, fez da Folha de S. Paulo um dos maiores jornais do país. Peço ao diretor de redação da Folha, Otavio Frias Filho, que transmita meus sentimentos de pesar à família, aos colaboradores e leitores do jornal".Franklin Martins, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social"Em nome do Senado, lamento a morte do dr. Otávio Frias que, para mim, sempre foi um homem à frente de seu tempo, um pensador que soube participar da revolução da mídia brasileira. O Brasil sentirá muito sua falta"Renan Calheiros (PMDB-AL), presidente do Senado"Octávio Frias foi uma personalidade que marcou época com dignidade e independência, constituindo-se por isso, parâmetro para as futuras gerações". Senador Tasso Jereissati (CE), presidente do PSDB"O doutor Frias representou uma geração no jornalismo e foi fundamental para uma imprensa livre".Deputado Rodrigo Maia (RJ), presidente do Democratas"Morre com Octávio Frias o último da geração dos grandes brasileiros que construíram a moderna comunicação do País. Exerceu sua liderança com total dignidade e foi pioneiro no jornal moderno, na feição gráfica, na linguagem, no tratamento da notícia, na inarredável crença de que o jornalismo é a voz crítica do povo. Vai com ele, uma parte do meu universo sentimental, no querer bem, na convivência. O Brasil está menor".José Sarney (PMDB-AP)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.