Freud Godoy desiste de três testemunhas em ação

O ex-assessor da Presidência Freud Godoy pediu ao corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Cesar Asfor Rocha, a desistência dos depoimentos de três testemunhas que tinha indicado na ação que investiga a suposta compra de um dossiê contra políticos tucanos. Essas testemunhas eram o deputado federal Sigmaringa Seixas (PT-DF), Cícero Antonio Brasileiro e Silva e Marcos Greco Passos. De acordo com informações de advogados, a desistência do depoimento de testemunhas ocorre porque quem as escolheu conclui que elas nada o ajudariam. Esse não é o primeiro pedido de desistência de testemunhas feito nessa investigação. No início do mês, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e o advogado Gedimar Pereira Passos já tinham feito essa solicitação a Cesar Rocha.Com as desistências, sobram apenas 5 das 13 testemunhas indicadas inicialmente na ação. São elas o procurador da República Mário Lúcio Avelar, os delegados federais Geraldo Pereira e Edmilson Pereira Bruno e os jornalistas Sônia Filgueiras e Expedito Filho, da sucursal de Brasília do Estado.Inicialmente os depoimentos das testemunhas estavam marcados para o último dia 10. Mas o corregedor resolveu adiá-los para aguardar o julgamento de um recurso do PSDB e do PFL que querem ter acesso à investigação.As testemunhas indicadas pelo ministro da Justiça eram o diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, e as jornalistas Leia Rabelo Alves e Tatiane Freire. Gedimar Passos tinha indicado como testemunhas Raimundo Eustáquio de Almeida e José Filho Soares Rocha.A investigação foi aberta no dia 19 de setembro a pedido da coligação que apoiava a candidatura do tucano Geraldo Alckmin à Presidência da República. São investigados no caso o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Thomaz Bastos, Ricardo Berzoini, Freud Godoy, Valdebran Carlos Padilha da Silva e o advogado Gedimar Pereira Passos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.