Gustavo Lima / Câmara dos Deputados
Gustavo Lima / Câmara dos Deputados

Frente parlamentar da saúde referenda Mandetta, diz deputada

Cármen Zanotto disse que os parlamentares aprovam a escolha do presidente eleito para o Ministério da Saúde. Anúncio foi feito nesta tarde

Breno Pires e Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2018 | 16h24

BRASÍLIA - A deputada federal Cármen Zanotto (PPS-SC), presidente de uma das frentes parlamentares da área da saúde, afirmou que os deputados ligados ao setor aprovam a indicação do deputado federal Henrique Mandetta (DEM-MS) como ministro da Saúde do governo Jair Bolsonaro. O anúncio foi feito pelo presidente eleito na tarde desta terça-feira, 20, num dos gabinetes de transição no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), em Brasília.

"O presidente cogitou o nome dele, a indicação dele, e nós da frente parlamentar respaldamos pela sua vasta experiência na área de saúde. (Mandetta) já foi gestor, é parlamentar e é médico ortopedista-pediatra. Conhece as dificuldades do setor saúde", disse Cármen Zanotto, após a confirmação por Bolsonaro, feita em uma reunião com a presença de parlamentares de diversos partidos.

Segundo Cármen, a indicação atende aos anseios do setor saúde, das frentes parlamentares e dos demais segmentos e entidades voltadas para a área da saúde. A prioridade do ministério na próximo governo, na opinião da deputada, deveria ser o Sistema Único de Saúde (SUS).

"É preciso continuar avançando no SUS, melhorando, é claro, todas as dificuldades. Em especial, as dificuldades da rede hospitalar prestadora de serviços e a dificuldade de acesso a alguns procedimentos no país, ainda", disse Carmen Zanotto.

Também presente à reunião, o deputado Efraim Filho (DEM-PB), que foi líder do DEM na Câmara, disse que a indicação do correligionário é um "pleito coletivo".

"O interessante no Mandetta é que foi um diálogo plural que uniu técnica e política. A frente parlamentar da saúde referenda o nome do Mandetta. A AMB, Associação de Médicos Brasileiros, estava presente, o presidente falou. O Conselho Federal de Medicina falou. Foi plural. O Mandetta acumula conhecimento técnico, é médico, tem articulação com a classe médica, e também conhece o mundo político e vai poder ajudar muito na agenda de 2019 na saúde para o Brasil", disse Efraim Filho. Segundo ele, a indicação de mais um integrante do DEM não se deve pela filiação ao partido nem se deu por cota partidária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.