Frente Nacional de Prefeitos vai cobrar mais diálogo de Dilma

Entidade encaminhará pauta com 23 demandas das prefeituras nas quais pede mais entrosamento entre os governos

Elizabeth Lopes e Ana Fernandes, enviadas especiais, Agência Estado

10 de novembro de 2014 | 11h00

Campinas - O diálogo proposto pela presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) assim que venceu a eleição é o principal mote de uma pauta de 23 itens que a Frente Nacional de Prefeitos vai encaminhar ao governo federal e aos estaduais.

Na abertura da 66ª reunião da FNP, nesta segunda-feira, 10, o prefeito de Campinas, Jonas Donizette (PSB), falou da pauta de 23 itens cuja premissa é o diálogo. Segundo ele, não é possível responder às demandas da população adequadamente sem um entrosamento entre entes federativos e sem fontes de financiamento. "A palavra do momento é o diálogo, não dá para ter diálogo sem as prefeituras."

O presidente da FNP, José Fortunati (PDT), prefeito de Porto Alegre, defendeu o pacto federativo e falou do momento histórico da relação entre os municípios e os governos federal e estaduais. Na semana passada, foi aprovado no Senado projeto que alterou o indexador das dívidas de Estados e municípios com a União.

"Esse benefício não é um benefício, é uma reparação", disse o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT) em sua participação no evento. O petista foi um dos prefeitos mais engajados para a aprovação da matéria.

O prefeito da capital paulista ressaltou também que o projeto foi aprovado por unanimidade no Congresso Nacional. "O apoio foi de todos os partidos, mostrando que não era questão ideológica, mas questão de justiça." Ele disse ainda que, da forma como estão os indexadores das dívidas, gera-se uma incoerência de premiar a inadimplência para não ter impacto nos caixas das administrações estaduais e municipais.

Ao fim de sua fala, Haddad leu uma moção de apoio ao projeto em que afirma que o projeto é um passo importante para reequilibrar finanças de Estados e municípios e para reestruturar o pacto federativo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.