Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

'Frente cívica' deixa de lado temas como 'Lula Livre'

Para atrair adesão de 'centro democrático', grupo propõe concentrar críticas à atuação de Bolsonaro na Presidência

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

10 de novembro de 2018 | 22h00

Partidos e organizações de esquerda articulam a criação de uma “frente cívica” – que seria aberta ao que seus líderes chamam de “centro democrático” – para fazer oposição ao governo Jair Bolsonaro (PSL). A preocupação declarada do grupo é barrar eventuais iniciativas que coloquem em xeque liberdades civis. Temas que podem dividir, como o “Lula Livre” e pautas econômicas, serão deixados de lado.

A diferença entre a “frente cívica” e outras iniciativas já existentes, segundo seus organizadores, é a intenção de ampliar a participação para além das fronteiras da esquerda e atrair setores do centro. Por isso, pautas econômicas ou de interesse específico de determinado partido ou movimento serão deixadas de lado. O foco serão temas do discurso de Bolsonaro, antes e depois da eleição, como Escola sem Partido, liberdade de imprensa, Lei Rouanet, ameaças à oposição, direitos de minorias LGBT, negros e mulheres e questões ambientais.

“O 'Lula livre' está na pauta do PT e da Frente Brasil Popular e do PT mas obviamente que pode haver quem não ache que é prioritário”, diz a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR). “Nós não temos nenhuma pretensão de hegemonizar nada”, afirma Gleisi. 

Pelo menos três movimentos neste sentido foram registrados na semana passada. Na segunda-feira, um encontro reuniu representantes de mais de 70 entidades, como Central Única dos Trabalhadores (CUT), Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Movimento dos Sem Terra (MST) e União Nacional dos Estudantes (UNE). Também participaram a presidente do PT e o vice presidente do PCdoB, Walter Sorrentino. Uma nova reunião foi marcada para o dia 26.

A criação da frente também foi tema de um jantar de advogados na casa do constitucionalista Pedro Serrano, em São Paulo, e de reunião do grupo 342 Artes, coordenado pela produtora Paula Lavigne, também na capital paulista. 

No campo partidário, a iniciativa deve ficar com o PCdoB, que apoiou o PT na disputa presidencial, e hoje negocia um bloco no Congresso com PDT, Rede e PSB. Políticos “desgarrados” de partidos como MDB, PSDB, Solidariedade, PPS e até o DEM também serão procurados, assim como a Frente Povo Sem Medo, que inclui o PSOL e o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), do ex-presidenciável Guilherme Boulos. 

“A ideia é boa e deve ser trabalhada com tranquilidade”, diz o ex-governador de São Paulo Alberto Goldman, integrante da executiva nacional do PSDB, e que declarou voto em Fernando Haddad (PT) no segundo turno da disputa presidencial. “O PT pode até apoiar, mas não deve participar”, afirma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.