Freire: Teixeira 'escancara porta' de Lula, não de Dilma

O presidente do PPS, ex-senador Roberto Freire, insinuou hoje, em Curitiba, que as operações de venda da VarigLog, subsidiária da Varig, podem ter tido participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Tenho um pouco de receio que esse seja um assunto muito mais grave do que simplesmente a ministra da Casa Civil (Dilma Rousseff)", afirmou Freire. "Até porque o senhor Roberto Teixeira (amigo do presidente) não escancara a porta de Dilma, ele escancara a porta de Lula."A suspeita é que Teixeira tenha usado seus contatos para aprovação do leilão. A VarigLog foi vendida ao fundo norte-americano Matlin Patterson e a três sócios brasileiros no final de 2006 por US$ 24 milhões e revendida meses depois por US$ 320 milhões. A denúncia é que foi desrespeitado o Código Brasileiro de Aeronáutica, que limita a 20% o capital estrangeiro em companhias aéreas, sob complacência e por pressão da ministra-chefe da Casa Civil.Freire, que participou em Curitiba de reunião da executiva nacional de seu partido, acentuou que Teixeira nem conhecia Dilma Rousseff. "A Dilma é conhecimento recente e o que ele escancara mesmo é a porta de Lula até porque a porta de Lula era a porta dele", afirmou. O ex-senador elogiou a iniciativa do juiz da 17ª Vara Cível de São Paulo, José Paulo Magano, de remeter cópias do processo da disputa entre os sócios da VarigLog para a Procuradoria-Geral da República (PGR), para que se investigue também a suposta participação de Dilma."Esta é uma boa medida e nos satisfaz muito porque infelizmente o Congresso Nacional, no seu processo de desmoralização política, desmoralizou as comissões parlamentares de inquérito, talvez melhor dizendo, a maioria governamental, não é bem o Congresso", disse Freire. "O Congresso pode até reverberar aquilo que a imprensa investigativa vem fazendo e aguardar que a Procuradoria-Geral da República tome as providências."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.