Freire pedirá cassação de ACM e Arruda

O PPS, partido do ex-ministro e virtual candidato à Presidência da República Ciro Gomes, prepara uma ofensiva para o caso de os senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF) saírem ilesos do processo que investiga a violação do painel eletrônico do Senado e quebra de decoro parlamentar. O senador Roberto Freire (PPS-PE) está empenhando em abrir processo de cassação por meio de uma representação encaminhada, em nome do partido, diretamente à Mesa Diretora do Senado. "É uma precaução para evitar surpresas", disse o senador pernambucano. Coincidência ou não, o relator do processo no Conselho de Ética, senador Roberto Saturnino Braga (PSB-RJ), avisou que o documento, que será apresentado na próxima quarta-feira, vai conter a sugestão de pena a ser aplicada contra ACM e Arruda. "Vou manter a indicação de qual a solução", afirmou ele. "Quem quiser que questione." A resposta é uma reação às informações de que ele não faria recomendações no seu relatório para evitar interpretações de que estaria incorrendo em prejulgamento, o que daria argumentos para a defesa dos dois senadores. Apesar da pressão da oposição e da firmeza do relator, a avaliação de parlamentares experientes é de que o clima pró-cassação está esfriando no Senado. As causas apontadas para diminuição do entusiasmo são as articulações para criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Corrupção e a demissão do ex-ministro Fernando Bezerra, da Integração Nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.