Freire avisa que novo partido ficará na oposição

O presidente da Mobilização Democrática (MD), partido resultante da fusão entre PPS, PMN e PHS, Roberto Freire disse que pode aceitar um convite para conversar com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas que isso não implicaria em apoio ao governo no Congresso."Diálogo é evidente que haverá", disse Freire, em reportagem do Estado. "Teremos uma bancada expressiva que, evidentemente, vai dialogar sempre que necessário com a liderança do governo".De acordo com o deputado, no primeiro governo, o PPS chegou a propor mudanças na Previdência, mas foi ignorado pelo Executivo. "Daí porque é difícil imaginar este governo chamando para discutir qualquer coisa", afirmou.Na reportagem, Freire também criticou o veto de Lula ao reajuste dos aposentados e disse que pretende fazer uma "oposição responsável".A MD nasceu com uma bancada de 27 deputados federais e foi criada para ajudar o antigo PPS a superar a cláusula de barreira - que obriga os partidos a terem pelo menos 5% dos votos nacionais.

Agencia Estado,

20 de novembro de 2006 | 12h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.