Fraude no Ibama do Pará custou R$ 4 milhões

Uma comissão de sindicância instalada para apurar denúncias de fraude no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) do Pará fez um levantamento preliminar e estimou que pelo menos R$ 4 milhões deixaram de ser recolhidos aos cofres da instituição por empresas madeireiras. Cerca de 100 empresas e cinco funcionários do Ibama podem estar envolvidos no esquema. A fraude consistia em anular multas, não registrá-las ou mesmo dá-las como quitadas. Empresas madeireiras que haviam sido multadas por fiscais do Ibama do Pará deixavam, assim, de pagar o que deviam. Entretanto, por ordem do gerente executivo do Ibama naquele estado, Marcílio Monteiro, os débitos voltaram a valer e serão cobrados. Um dos caso de fraude investigado dá conta de uma empresa que deixou de recolher R$ 700 mil cobrados em dois autos de infração. A investigação começou depois que funcionários do Ibama denunciaram o esquema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.