Frase de Lula sobre pizzaiolos foi ignorada

Ao ser questionado sobre defesa do Congresso, presidente da Casa foi ?seco? na resposta

, O Estadao de S.Paulo

18 de julho de 2009 | 00h00

Apesar de ser o presidente do Legislativo e de ter ficado um dia inteiro, a quinta-feira, calado depois de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter chamado os senadores de "pizzaiolos", o senador José Sarney (PMDB-AP) também não aproveitou o discurso solene de ontem, no encerramento do semestre, para defender o Congresso. Em quase uma hora de discurso e apartes, o assunto só foi introduzido no plenário - passados dois dias da frase de Lula - pela boca do senador Cristovam Buarque (PDT-DF).Na quarta-feira, questionado sobre os argumentos da oposição, de que a CPI da Petrobrás poderia acabar em pizza, temperada com o pré-sal, Lula reagiu: "Depende. Todos eles (senadores) são bons pizzaiolos." Depois de ler um extenso relatório, citando as 40 medidas adotadas para reformar administrativamente a Casa, Sarney enfrentou um aparte de Cristovam, pedindo para fazer uma sugestão. "Que esse relatório seja encaminhado ao presidente da República. Antes de ontem, sua excelência fez declarações jocosas sobre esta Casa, chamando-nos de pizzaiolos, não no sentido - e vossa excelência como escritor percebe - do pizzaiolo que faz a maravilha da pizza, mas em outro sentido, no do pizzaiolo que faz, como ele próprio, o presidente, chamava antigamente, maracutaias", afirmou Cristovam. "O senhor, como presidente da Casa, fez algum contato com o presidente da República para defender o Congresso?" A resposta foi curta e seca. "Vossa excelência será atendido. Mandarei uma cópia do relatório ao presidente da República e, logo que estiver com ele, transmitirei as suas observações .""DESASTRE"O senador pedetista chamou de "declarações infelizes" as críticas de Lula e lembrou que "os próprios aliados" do Planalto consideraram um desastre o comportamento do presidente. "Existem palavras infelizes sem consequências. Essas palavras têm uma consequência: minam a opinião pública contra o Congresso."O senador Geraldo Mesquita (PMDB-AC), aliado de Sarney, elogiou o presidente e concluiu que não há uma crise institucional."Não enxergo todo esse descrédito por parte da população. Portanto, bom recesso, senador ," afirmou."Se não conseguirmos nos defender perante a opinião pública, vamos perder, por mais que façamos aqui", respondeu Cristovam. "E tendo contra nós uma pessoa com a estatura de prestígio popular do presidente Lula, a causa será totalmente perdida."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.