Franklin admite risco de governo manipular TV pública

O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Franklin Martins, admitiu hoje que existe sim o risco de o governo manipular as TVs públicas. "Existe o risco. Sempre existirá o risco. Todo governo sempre é um pouco tentado a usar os instrumentos disponíveis para fazer aquilo que o beneficie e isso vale para TV Cultura em SP, para a Rede Minas em MG e vale para a BBC em Londres", afirmou Franklin, em um seminário sobre TV pública, no Planalto. Mas o ministro advertiu: "o que tem de se ter é um mecanismo que faça com que toda vez que o governo avançar o sinal, passar do ponto, tentar atropelar a independência da TV pública, ele pague um preço político e, aí, a sociedade vai cuidar". Ele ressalvou, no entanto, que "acha difícil que numa sociedade moderna, cada dia mais desenvolvida, como a brasileira, que um pensamento como esse (de enquadramento) venha a prevalecer".O projeto criando a nova TV pública deverá ser encaminhado ao Congresso entre o final de agosto e o início de setembro. Não está prevista ainda se a proposta será enviada por Medida Provisória ou projeto de lei. A previsão é de que a nova TV, que vai nascer da fusão da Radiobrás com a TVE Brasil, comece a funcionar no dia 2 de dezembro. A princípio, o nome da nova TV será TV Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.