Francenildo deixa STF antes do encerramento da sessão

Intimidado, caseiro resumiu sentimento após absolvição em uma palavra: 'decepção'

Vannildo Mendes, de O Estado de S.Paulo,

27 de agosto de 2009 | 23h12

Francenildo deixa o STF Foto: Celso Junior/AE

 

Com uma palavra, "decepção", seguida de um balançar de cabeça em sinal de desaprovação, o caseiro Francenildo dos Santos Costa deixou nesta quinta-feira, 27, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF), antes mesmo do encerramento da sessão que livrou o ex-ministro da Fazenda Antônio Palocci de sentar no banco dos réus. De terno cinza e gravata vinho, Nildo assistiu ao julgamento ao lado do advogado Wlício Chaveiro do Nascimento.

 

Leia também:

linkEm julgamento apertado, STF rejeita processo contra Palocci
linkO que está em jogo no caso do caseiro Francenildo

 

Ele chegou ao tribunal esperançoso, mas o ambiente grandioso e solene do STF, no qual entrou pela primeira vez, o deixou visivelmente intimidado. Quando lhe perguntaram sobre a expectativa em relação ao resultado do julgamento, ele brincou. "Minha expectativa é que o Palmeiras ganhe", respondeu.

 

Nervoso na maior parte do tempo, Nildo esfregava com força as mãos, a ponto de deixá-las vermelhas, a cada vez que seu nome era citado. Ficou particularmente incomodado com a linguagem rebuscada do ministro Marco Aurélio Mello.

 

Não entendeu sequer que ele votava contra Palocci quando defendia a tese de que se deveria ouvir o Ministério Público antes de arquivar a denúncia e usava palavras empoladas. "É preciso, antes, que o órgão investido do poder judicante se manifeste", dizia o ministro. O caseiro, preocupado, cochichou ao ouvido do advogado: "Isso é bom ou ruim?"

 

No início da sessão, durante leitura da denúncia pelo ministro relator, Gilmar Mendes, Nildo riu pela primeira vez ao ouvir a descrição do tumulto que teria ocorrido na cabeça do ex-ministro e seus assessores no momento em que souberam de depósitos de quase R$ 40 mil na conta do caseiro. Mas fez cara de censura quando o advogado José Roberto Batochio, defensor de Palocci, se referiu a ele, Nildo, com ar de desdém.

 

Ao argumentar que a Justiça não pode se nortear pelo posto ou pela importância de quem acusa ou é acusado, Batochio disse que o que estava em questão não era "uma disputa do poderoso contra o humilde, o singelo, o quase indigente", mas o alcance da Justiça.

 

Nildo franziu o cenho e virou o rosto, visivelmente contrariado. Na hora da votação, quando sentiu que Gilmar Mendes dirigia o voto para o arquivamento da denúncia contra Palocci, o caseiro demonstrou desânimo, falou algo para o advogado e permaneceu estático, com a mão no queixo, durante boa parte do restante da sessão.

 

À saída, com visível ar de derrota, ele não quis falar com a imprensa. "Ele está profundamente frustrado", resumiu o advogado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.