França pode transferir tecnologia militar ao Brasil, diz Sarkozy

Líder francês associa possível acordo à compra de equipamentos do país.

Denize Bacoccina, BBC

12 de fevereiro de 2008 | 17h40

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse nesta terça-feira que o país "não tem qualquer tabu" para fazer um acordo militar com o Brasil envolvendo transferência de tecnologia."Não existe qualquer tabu. O Brasil é uma potência democrática. O Brasil é amigo da França e nós somos transparentes. Não haverá dificuldade", afirmou o presidente francês em entrevista coletiva ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Saint George de l'Oyapoque, cidade da Guiana Francesa do outro lado do Rio Oiapoque, na divisa com o Brasil.Sarkozy disse que a França está disposta a produzir no Brasil um dos submarinos Scorpene, se o Brasil fizer o negócio com o país. O assunto foi discutido pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, na viagem que fez à França em janeiro. Ele pediu justamente a transferência de tecnologia para o Brasil para a realização do negócio.O submarino francês não é nuclear, mas pode ser convertido para um submarino nuclear. O projeto brasileiro prevê o desenvolvimento por parte da Marinha brasileira do reator nuclear, com a compra do casco de uma empresa estrangeira.Sarkozy também disse que a França está disposta a transferir tecnologia se o Brasil comprar do país os caças Rafale."Fazemos questão que esta parceria não seja apenas uma questão de entregar material militar. Queremos construir juntos", afirmou o presidente francês.Conselho de SegurançaSarkozy fez ainda um discurso bastante elogioso ao Brasil, e defendeu a entrada do país como membro permanente do Conselho de Segurança da ONU e de um G-8 ampliado, com países em desenvolvimento."O mundo precisa que o Brasil ocupe seu lugar no cenário internacional", afirmou.O presidente francês também defendeu uma maior integração da Guiana Francesa com o Brasil. "O desenvolvimento da Guiana Francesa passa pelo Brasil", afirmou.Mas não mostrou intenção de alterar a atual acordo de imigração, que permite retornar ao Brasil estrangeiros sem documentação encontrados no lado francês."Seremos firmes contra qualquer tipo de tráfico", afirmou. "Mas estamos dispostos a revisitar toda as regras porque precisamos uns dos outros", disse o francês.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.