França pode reduzir preço para fornecer caças ao Brasil

Parecer da FAB teria colocado Rafale em último na lista; segundo jornal, Dassault irá reduzir valor em 40%

Andrei Netto, correspondente de O Estado de S. Paulo,

05 de janeiro de 2010 | 19h47

A informação de que a Força Aérea Brasileira (FAB) classificou o avião supersônico Rafale, fabricado pela Dassault, em terceiro e último lugar em seu parecer técnico sobre a licitação para a compra de aviões de Caça repercutiu na imprensa francesa, mas não quebrou o silêncio do Palácio do Eliseu sobre o tema, que dura mais de 50 dias. A estratégia de trabalhar nos bastidores, entretanto, seguiria em curso: de acordo com o jornal Libération, a companhia estaria reduzindo o preço de seus jatos em 40% para tentar conquistar o contrato de fornecimento de 36 aviões ao Brasil.

 

Veja também:

link Relatório sobre caças ainda não foi entregue, diz Aeronáutica

 

O Estado contatou o almirante Edouard Guillaud, conselheiro Militar do Palácio do Eliseu e porta-voz do tema no governo francês, nesta terça-feira em busca de uma reação sobre relatório da FAB, revelado pela revista Veja e pelo jornal Folha de S. Paulo. Por meio de uma assessora, Guillaud disse que não se manifestaria, sem apontar o motivo do silêncio. À agência Reuters, uma fonte consultada informou que não comentaria as reportagens da imprensa brasileira por se tratarem "de rumores".

 

Desde 14 de novembro, quando da última visita do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Paris, a presidência francesa não se manifesta sobre as chances do jato na concorrência. Na oportunidade, Lula cometeu um ato falho que, mais uma vez, reforçou sua preferência pelos franceses. "Além de sermos amigos, nós precisamos ter um pensamento estratégico para os próximos 50, 100 anos", ressaltou o presidente, enumerando os projetos da Parceria Estratégica Brasil-França: "Começamos a estabelecer, nessa ideia da estratégia entre França e Brasil, os acordos do submarino, os acordos dos helicópteros, os acordos dos aviões de caça."

 

O silêncio também foi a resposta de executivos da Dassault procurados na sede da empresa em Saint-Cloud, na França, e na filial em Brasília. Em nenhum dos casos os contatos foram respondidos.

 

Já a imprensa de Paris repercutiu o assunto. No final da manhã, o Le Monde alertou para o risco de que a Dassault perca outra concorrência internacional. O Libération, por sua vez, informa que a companhia estaria pronta a reduzir em 40% o preço de cada Rafale, de forma a torná-lo mais competitivo contra seu principal concorrente, o Gripen NG, fabricado pela sueca Saab. A Dassault estaria, assim, alinhando o preço de seus aviões ao cobrado da Força Aérea Francesa, ou seja, € 50 milhões por unidade - o valor é, até aqui, um segredo absoluto da fabricante. Ainda segundo o jornal, o preço original do avião seria € 96 milhões.

 

Enquanto a Dassault se cala, a favorita da FAB, a Gripen, manteve o perfil discreto. Anne Lewis-Olsson, diretora de Comunicação da Saab Brasil, foi prudente: "Se a informação for verdadeira, será uma notícia muito importante para a Saab. Mas não recebemos nenhum tipo de comunicado oficial da FAB ou de qualquer fonte oficial do governo brasileiro".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.