França e Brasil anunciarão aumento da cooperação nuclear civil

Durante a visita do presidente da França, Jacques Chirac, ao Brasil, no mês de maio, França e Brasil poderão anunciar um aumento de sua cooperação nuclear na área civil. Essa revelação foi feita hoje, em Paris, pelo ministro do Exterior, Celso Amorim, ao deixar o Palácio do Eliseu após ter sido recebido em audiência privada pelo presidente francês. Celso Amorim afirmou que a viagem do presidente Jacques Chirac está marcada para os dias 24,25 e 26 de maio. Segundo Amorim, a visita deverá, "além de aprofundar a cooperação nuclear civil, aumentar também a cooperação entre os dois países na área tecnológica e no setor aeronáutico".Amorim não quis fornecer maiores detalhes sobre quais seriam as modalidades dessa cooperação nuclear, mas certas fontes francesas, próximas de Jacques Chirac, indicam que ela poderá ocorrer no mesmo nível dos acordos assinados com a Índia, muito recentemente, quando da viagem de Chirac a esse país, através da transferência de tecnologia nuclear civil. Diversos acordos desse tipo foram assinados quando da visita do presidente francês à Índia, outro país, a exemplo do Brasil, que integra a relação das prioridades francesas, ao lado da China.Celso Amorim foi um dos únicos ministros do exterior recebidos hoje por Chirac, às voltas com mais de uma dezena de chefes de estado em Paris que se sucederam no Palácio do Eliseu . Com Amorim, ele tratou de sua próxima visita ao Brasil, inclusive sobre a aceleração do projeto de construção da ponte sobre o rio Oiapoque, um projeto de dez anos e que já faz parte dos temas das viagens presidenciais e de chefes de governo franceses ao Brasil.Outro tema debatido foi o Haiti, onde se encontram as tropas brasileiras e o próprio comando das forças das Nações Unidas, a Minustah. Nessa ocasião, o ministro brasileiro lembrou que, após a realização de eleições livres nesse país, espera-se o cumprimento das promessas da comunidade internacional de ajudar financeiramente o Haiti a encontrar uma saída da precária situação em que se encontra, permitindo a normalização de sua vida política e econômica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.