FPA: consenso sobre código florestal favorece aprovação

O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), Homero Pereira (PSD-MT), disse à Agência Estado que as alterações promovidas pelo Congresso Nacional na Medida Provisória 571/12, que trata do Código Florestal, não devem ser rejeitadas pelo Palácio do Planalto.

VENILSON FERREIRA, Agência Estado

19 de setembro de 2012 | 16h05

Ele acredita que se houver mudanças, estas serão "cirúrgicas", para não descaracterizar o acordo firmado para aprovação das medidas. O parlamentar acredita que o governo deve levar em conta o fato de as alterações terem sido aprovadas por unanimidade tanto na comissão especial como no plenário da Câmara dos Deputados. "O mesmo deve ocorrer no Senado Federal", diz ele.

Homero Pereira lembra que na primeira etapa de aprovação do Código Florestal, no final do ano passado, a presidente Dilma Rousseff respeitou as decisões do Congresso Nacional e sancionou mais de 80% do texto original, vetando alguns pontos que agora estão sendo revistos pelos parlamentares na análise da MP 571/12.

O deputado acredita que as medidas devem ser aprovadas até o dia 8 de outubro, quando a MP perde a validade. O texto deve ser examinado pelos senadores na próxima semana. "A aprovação é necessária para o bem do País, pois não podemos desestabilizar o agronegócio, que é um dos setores mais competitivos da economia brasileira", diz ele.

Tudo o que sabemos sobre:
Código FlorestalvotaçãoFPA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.