Fotógrafo de jornal de Ipatinga (MG) é assassinado com três tiros

Vítima trabalhava em dupla com repórter morto na mesma região há 37 dias

Gabriel Manzano, de O Estado de S. Paulo,

15 de abril de 2013 | 22h21

SÃO PAULO - O repórter fotográfico Walgney Assis Carvalho, 43 anos, foi morto no domingo, 14, à noite com três tiros em Coronel Fabriciano, perto de Ipatinga, cidade do interior mineiro. Ele trabalhava em dupla com o jornalista Rodrigo Neto - assassinado na mesma região há 37 dias - para o Jornal Vale do Aço. A suspeita é que Walgney, que também trabalhava para a polícia, tenha sido eliminado por conhecer os autores do crime anterior.

Foi o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia, deputado Durval Ângelo (PT-MG), quem levantou a hipótese de a morte de Walgney ser “queima de arquivo”. “A CDHumanos, logo após a morte de R Neto, recebeu denúncias de que ele sabia autoria”, escreveu ele no Twitter em mensagem encaminhada à ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário.

“Como Rodrigo, ele sabia demais”, disse horas depois ao Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ), de Nova York, o jornalista ipatinguense Fernando Benedito Jr., amigo pessoal de Rodrigo Neto. Até a tarde desta segunda-feira, 15, no entanto, os policiais ainda não tinham elementos para ligar os dois crimes. Horas depois do episódio o jornalista do Jornal Vale do Aço que atuava no setor policial decidiu abandonar sua função.

Foi o terceiro crime cometido em 2013 contra jornalistas no Brasil. Além de Rodrigo Neto, em 8 de março, também o cearense Mafaldo Góes foi morto com vários tiros, em 22 de fevereiro, em Jaguaribe, no interior do Ceará. Nas contas do CPJ, acrescido o crime de domingo, o Brasil divide com o Paquistão o segundo lugar entre os países mais perigosos para jornalistas no ano, cada um com três vítimas. No topo está a Síria, com sete mortes.

Apuração 'rigorosa'. Em nota oficial divulgada na manhã desta segunda, o governador mineiro Antonio Anastasia determinou “apuração rigorosa” do caso “bem como maior celeridade” na investigação do crime contra Rodrigo Neto. Anastasia também despachou para Ipatinga o chefe do Departamento de Investigações de Homicídios e Proteção à Pessoas, Wagner Pinto, com mais quatro delegados e dez investigadores. Na noite de domingo, uma nota da Secretaria da Defesa Social informava que “os suspeitos (do crime do domingo) já estão identificados”.

Em nota oficial, a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) condenou o homicídio, “que parece se inserir na lógica de queima de arquivo de outras ocorrências da região”. Para a entidade, “é importante que autoridades de todas as esferas se unam para elucidar as duas mortes com rapidez”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.