Fórum Trabalhista de SP estará pronto em 1 ano

O fórum trabalhista de São Paulo, prédio que se transformou no símbolo de um dos maiores episódios de corrupção da história recente do Brasil, deverá estar pronto e em funcionamento em março de 2004, quase um ano antes do prazo previsto quando as obras foram retomadas, em setembro do ano passado. A nova projeção foi feita hoje pela juíza Maria Aparecida Pellegrina, presidente do TRT da 2ª região, durante a apresentação do quinto relatório de prestação de contas sobre o andamento das obras. Quando as obras foram retomadas, em setembro, depois de quase um ano de atraso por causa da falta de recursos, os técnicos da construtora OAS, contratada pelo Tribunal para concluir as obras sob supervisão do Banco do Brasil, estimavam que elas estariam concluídas em dois anos e que entre três ou quatro meses depois as varas trabalhistas que serão transferidas para lá já poderiam estar em funcionamento. "Mas, nos últimos três meses, as obras avançaram mais depressa do que o esperado e entraram agora no ritmo que os construtores chamam de ´velocidade de cruzeiro´", afirmou a juíza. "Por isso, o novo cronograma prevê a conclusão do prédio ainda no final d este ano." Na prestação de contas apresentada hoje, a juíza informou que 20,95% das obras que faltam para a conclusão do prédio estão prontas. Foram gastos neste período R$ 11,5 milhões, dos R$ 55 milhões de investimentos previstos. "Praticamente todo o dinheiro das obras já está dotado no orçamento da União, de modo que neste aspecto não teremos problemas para a conclusão", disse. O relatório foi elaborado por engenheiros da construtora e por técnicos do Banco do Brasil. O fórum vai abrigar as 79 varas trabalhistas que funcionam na região central de São Paulo e outras 11 em processo de criação no Congresso Nacional. Com a mudança, a Justiça do Trabalho vai deixar de gastar R$ 500 mil por mês só com o pagamento do aluguel dos prédios onde hoje estão instaladas as varas. As obras do fórum foram paralisadas em 1998, quando estourou o escândalo do desvio do dinheiro que deveria ser destinado à construção. O esquema de corrupção comandado pelo juiz Nicolau dos Santos Neto foi responsável pelo desvio de mais de R$ 169 milhões. Nicolau Santos Neto, condenado a oito anos de prisão, está preso na Custódia da Polícia Federal (PF), em São Paulo. Ele já cumpriu dois anos da pena e, ainda este ano, quando completar 28 meses de prisão, poderá requerer sursis e cumprir o resto em liberdade vigiada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.