Fórum pela Qualidade do Jornalismo critica ação

Um grupo de universidades, veículos de comunicação e entidades relacionadas à imprensa em Cascavel (PR) iniciou um movimento pela liberdade de imprensa no Brasil, motivado em parte pelo caso da censura imposta ao Estado. Em carta aberta que começou a ser veiculada em agosto, o Fórum pela Qualidade do Jornalismo em Cascavel saiu em defesa do direito à informação.

Clarissa Oliveira, O Estadao de S.Paulo

14 de setembro de 2009 | 00h00

"A censura aos meios de comunicação é um dos mais antigos e mais graves atentados que comprometem as liberdades democráticas, a liberdade de informação e o direito dos cidadãos de tomar conhecimento dos assuntos que interessam às suas vidas", diz o documento, intitulado Carta de Cascavel, cuja elaboração coube ao jurista René Dotti.

"A censura ao jornal O Estado de S. Paulo, trincheira histórica da luta de resistência contra a ditadura militar e em favor das liberdades públicas, dos direitos e das garantias individuais, deve ser repelida pela sociedade brasileira através de suas múltiplas formas  de expressão e representação", afirma o texto.

A ideia de elaborar a carta surgiu durante os preparativos para uma palestra de Dotti no fórum, sobre a lei de imprensa. Após o Estado se tornar alvo de censura, o grupo decidiu incluir o assunto no documento, assinado pelas universidades e veículos de comunicação. O jornal está proibido de veicular reportagens sobre a Operação Boi Barrica da Polícia Federal, que investiga o empresário Fernando Sarney, filho do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.