Fornecedoras do governo do Rio fizeram um terço das doações ao PMDB no Estado

Fornecedoras do governo do Rio fizeram um terço das doações ao PMDB no Estado

27 empresas contratadas pela atual gestão ou pelo governo de Sérgio Cabral (PMDB), padrinho político de Pezão, doaram R$ 23,7 milhões ao comitê do partido no Estado

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

26 de novembro de 2014 | 18h12


Rio - Empresas fornecedoras do governo do Estado do Rio nos últimos oito anos fizeram um terço das doações recebidas pelo Comitê Financeiro Único do PMDB fluminense, que por sua vez responde por 97% dos R$ 45 milhões arrecadados para a campanha do governador reeleito, Luiz Fernando Pezão.

As 27 empresas têm contratos cujos valores somados ultrapassam os R$ 3,5 bilhões, assinados durante as gestões de Pezão e do antecessor e padrinho político dele, Sérgio Cabral (PMDB). Entre elas, há duas empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato, da Polícia Federal (PF): OAS, que doou R$ 3 milhões, e Queiroz Galvão, com R$ 3,1 milhões. 

A maior parte das 27 empresas é de construtoras contratadas pela Secretaria Estadual de Obras para empreendimentos como o Arco Metropolitano, com recursos estaduais e do governo federal, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). OAS e Queiroz Galvão, além da Carioca Engenharia (outra que doou ao PMDB), foram responsáveis pela obra do Arco, inaugurado parcialmente em julho por Pezão e pela presidente Dilma Rousseff (PT). 

Há também prestadoras de serviço, como a Premier Comércio de Alimentos, que doou R$ 100 mil e, nos últimos oito anos, recebeu R$ 177 milhões do governo estadual, pelo fornecimento de comida a pacientes e servidores de hospitais. 

Na prestação final, Pezão declarou R$ 45,1 milhões em doações, mas sem discriminar a origem. Se limitou a creditar, entre um e outro nome responsável por valores menores, R$ 43,8 milhões a repasses do Comitê partidário. 

O Comitê, por sua vez, listou 78 empresas. Delas, 27 firmaram contratos com o Executivo estadual nas duas últimas gestões. Juntas, doaram R$ 23,4 milhões dos R$ 72 milhões que o Comitê arrecadou. 

As que mais doaram foram Carioca Engenharia, com R$ 3,8 milhões, OAS e Queiroz Galvão. Entre as fornecedoras/doadoras da campanha de Pezão, o grupo Bradesco é o que mais recebeu por serviços prestados ao Estado do Rio nos últimos oito anos: R$ 840 milhões, parte em pagamento de empréstimos e juros de dívidas. O Bradesco Vida e Previdência doou R$ 1,3 milhão ao Comitê. 

Em segundo lugar no ranking de valores recebidos, aparece a Ipê Engenharia: R$ 372 milhões por obras, principalmente em rodovias. A empresa doou R$ 1 milhão. Em seguida, mais uma construtora: Colares Linhares (R$ 327 milhões em contratos; doou R$ 1 milhão). 

Em nota, o governador Luiz Fernando Pezão afirmou que "as doações foram feitas de forma transparente e cumpriram rigorosamente o que determina a Justiça Eleitoral".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.