Forças Armadas ocupam fronteira Brasil-Paraguai

A fronteira do Brasil com o Paraguai em toda a região de Mato Grosso do Sul está ocupada por 3.500 militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, além de patrulhas formadas pelas polícias Federal, Militar e Civil que percorrem toda a região. A movimentação, coordenada pelo Comando Militar do Oeste, é para coibir todos os tipos de ilícitos, principalmente crimes como tráfico de drogas, contrabando de armas de fogo, crimes ambientais e evasão de divisas.É o desencadeamento da Operação Jauru III, que teve início na quinta-feira e terminará no próximo dia 28, conforme explicou o porta-voz da 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, tenente-coronel Paulo Lizardo Valentim de Mattos. O trabalho segue os mesmos moldes das duas operações anteriores. Além das apreensões e prisões que ocorrem nos postos fixos e volantes, um sistema que conta com a colaboração da polícia paraguaia fecha o cerco em torno dos criminosos, no Paraguai, e eles acabam ´caindo na rede´.Foi o que aconteceu no final da tarde de quinta-feira, quando agentes da Secretaria Nacional Antidrogas (Senad) do Paraguai apreenderam quase seis toneladas (5.800 quilos) de maconha prensada. A droga, produzida em Capitán Bado (Paraguai), na divisa com Coronel Sapucaia (MS), seria transportada para o interior de São Paulo via aérea, de onde partiria em vários automóveis para o Rio de Janeiro. São pacotes de 55 quilos cada, especialmente preparados para serem embarcados em aviões de pequeno porte.Sem saída, pois estavam na área de ação da Jauru III, os traficantes resolveram depositar a carga na Fazenda La Cascada, a 150 quilômetros do centro de Bella Vista Norte (Paraguai), onde foram presos em flagrante, a menos de 50 quilômetros da também chamada cidade de Bela Vista, do lado brasileiro. Estão presos os paraguaios, Miguel Angel Salinas Insaurralde, de 24 anos, e Antonio Ramón Patiño Sánchez, de 32 anos. Eles estavam armados com dois fuzis 762 mm.O custo estimado da operação é de R$ 1,4 milhão. Somente o Exército enviou 2.500 homens e 150 viaturas, sendo 40 delas blindadas. As demais forças contam com helicópteros, aviões e barcos patrulhas. Ainda conforme o tenente-coronel Mattos, nas outras operações do gênero não aconteceram apreensões vultosas, mas ressaltou que é muito importante o trabalho para a preservação da ordem e da soberania nacional.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.