Forças Armadas farão patrulha contra aftosa

O presidente Fernando Henrique Cardoso concedeu autorização para que unidades das Forças Armadas passem a vigiar a fronteira entre Santa Catarina e a Argentina, com o objetivo de evitar a contaminação do rebanho bovino da região pelo febre aftosa procedente do país vizinho. A autorização foi comunicada ao ministro da Agricultura, Pratini de Moraes, e prevê a vigilância em pontos considerados estratégicos.A solicitação para que as Forças Armadas dêem apoio ao serviço federal e estadual de vigilância foi encaminhada ao Ministério na semana passada. O reforço na vigilância tem como objetivo proteger o rebanho catarinense, estimado em 2,5 milhões de cabeças de gado, que é considerado livre da febre aftosa "sem vacinação" pelas autoridades sanitárias brasileiras. Com a autorização para que o Exército, Marinha e Aeronáutica atuem na fronteira entre Santa Catarina e Argentina, fica faltando apenas atender ao pedido do governo do Paraná, encaminhado ao Ministério da Agricultura na última terça-feira pelo secretário estadual da Agricultura, Antonio Poloni. Desde o mês passado as Forças Armadas já vêm atuando na fronteira do Rio Grande do Sul com o país vizinho, nas localidades consideradas mais vulneráveis ao contrabando na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.