Forças Armadas comemoram operação na fronteira da Colômbia

As Forças Armadas consideraram "um sucesso" o combate aos traficantes na fronteira do Brasil com a Colômbia, a operação Timbó, realizada em conjunto pelo Exército, Marinha e Aeronáutica que se encerra nesta sexta-feira. Segundo os militares, nos seis dias de trabalhos não foi detectado vôo irregular na área e os barcos irregulares desapareceram dos rios. "Os aviões irregulares desapareceram", disse hoje o comandante militar da Amazônia, general Cláudio Figueiredo. Segundo o brigadeiro J. Carlos Pereira, comandante-geral do Ar, cerca de dez pequenos aviões, normalmente usados por traficantes, fazem vôos irregulares diariamente na região. Além da repressão aos narcotraficantes, grupos guerrilheiros e ilícitos ambientais, ela tem o objetivo de adestrar os militares no planejamento e na execução de operações na Amazônia. A operação custou R$ 10 milhões e envolveu 4105 militares. Até agora, de acordo com informações do Ministério da Defesa, dos rios e áreas de interesse que foram vasculhados, ainda não houve grande apreensão de drogas. As Forças Armadas do Peru e Colômbia não estão envolvidas na Operação Timbó.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.