Força Sindical quer multa rescisória corrigida

A ForçaSindical quer entrar na Justiça para forçar os empresários que demitiramtrabalhadores logo após os planos Verão e Collor 1 a pagarem a correção monetária de68,9% sobre o valor da multa rescisória.O Supremo Tribunal Federal decidiu que essemontante tem que ser creditado aos trabalhadores com contas do Fundo de Garantia doTempo de Serviço (FGTS) naquela época.O governo já acertou um acordo para opagamento, mas nada foi dito com relação à multa rescisória.?Nossos advogados dizem que os trabalhadores têm direito, e nós pretendemos submeteressa questão à justiça?, disse o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira daSilva.Para obter respostas sobre o assunto, Paulinho esteve, nesta quarta-feira, com o presidentedo Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Almir Pazzianoto.Ele estavaacompanhado do deputado Luiz Antônio Medeiros (PFL-SP), que também participou dasvisitas que o presidente da Força sindical fez a vários parlamentares com o objetivode obter o apoio do Congresso Nacional para a proposta do governo de pagamento dacorreção monetária devida aos trabalhadores no FGTS.Segundo a assessoria de imprensa do TST, Pazzianoto recebeu o sindicalista, masargumentou que o TST não poderia responder a consultas. O tribunal julga.Em caráterpessoal, Pazzianoto informou ao presidente da Força Sindical que iria examinar oassunto e tentar ajudar na busca de uma solução.A questão da multa é um ponto polêmico. A correção referente à multa rescisória nãofoi reclamada pelos trabalhadores na Justiça. Muitos especialistas avaliam que odireito prescreveu porque foi ultrapassado o prazo de cinco anos, previsto no direitotrabalhista, para a reclamação.Os trabalhadores, por sua vez, argumentam que não podiam reclamar sem antes ter umadecisão da Justiça sobre se a correção era devida ou não. A decisão final só saiu emagosto do ano passado.Os advogados dos sindicatos dizem que o prazo de prescriçãodeveria contar a partir daí e não da data da demissão ou dos planos Verão (janeiro de1989) ou Collor 1 (abril de 1990).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.