Força Sindical pede ao governo a legalização dos bingos

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho, informou que a entidade elaborou hoje um documento que será entregue ao Ministério do Trabalho pedindo uma audiência com o governo para discutir a legalização dos bingos. O objetivo é manter os postos de trabalho que podem ser fechados caso a proibição do jogo seja mantida.Com a medida, anunciada na semana passada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que proíbe o funcionamento de casas de bingo em todo, estima-se que 320 mil postos de trabalho sejam fechados. "Na carta colocamos a situação do setor, defendemos o emprego dos trabalhadores e pedimos a legalização", afirma Paulinho.O líder sindical disse que prefere não considerar o termo "estatização", conforme anunciou o governo, mas sim pedir a legalização da categoria. Para fazer esse pedido, além do documento dirigido ao Ministério do Trabalho, a Força Sindical vai realizar nesta quinta-feira assembléias em várias casas de jogos da capital paulista e de Santos. "Serão assembléias nas quais iremos informar os trabalhadores sobre a situação da categoria. Será também uma espécie de preparação para o grande manifesto de segunda-feira", antecipou o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho.Na próxima segunda-feira, às 10h, a central sindical pretende realizar um ato em frente ao vão livre do Masp, na Avenida Paulista, onde espera reunir pelo menos 10 mil trabalhadores. Do Masp, os manifestantes pretendem se dirigir até a Assembléia Legislativa de São Paulo.Os sindicatos da categoria, ligados à Força, estimam que 5 mil pessoas deverão participar das assembléias desta quinta-feira. Na Capital, elas ocorrerão a partir das 10h no Bingo Sampa, na Avenida Ipiranga; no Bingo Augusta, na Rua Augusta); e no Bingo Taquari, na Rua Taquari. Em Santos, a assembléia será feita no Palácio de Santos, situado na Avenida Ana Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.