Força Sindical admite mínimo entre R$ 375 e R$ 420

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, afirmou que a reunião desta quinta-feira entre dirigentes das centrais sindicais e o governo será apenas o início das negociações para definição do novo valor do salário mínimo, a vigorar a partir de abril de 2007. Ele fez a afirmação ao chegar ao Ministério do Trabalho para a reunião, da qual participam, entre outros, os ministros Luiz Marinho (Trabalho), Guido Mantega (Fazenda), Paulo Bernardo (Planejamento, Orçamento e Gestão) e Luiz Dulci (Secretaria Geral da Presidência da República). Pereira da Silva disse acreditar que as negociações só serão concluídas em janeiro. Ele se declarou otimista, admitindo que o diálogo poderá resultar em um acordo que contemple um valor para o salário mínimo entre os R$ 375 propostos no Orçamento de 2007 e os R$ 420,00 reivindicados pelas centrais sindicais.Mas o presidente da Força evitou precisar qual o valor intermediário que as centrais sindicais podem aceitar: "Não dá para baixar uma vírgula até ver o que o governo tem para propor." Pereira da Silva disse acreditar que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, ao defender um reajuste do mínimo para R$ 367, seja uma "voz isolada" dentro do governo.O ministro Paulo Bernardo, ao chegar ao Ministério do Trabalho para o encontro, preferiu não fazer declarações. A uma pergunta sobre o valor ideal para o salário mínimo, limitou-se a dizer: "O maior possível."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.