Força rebate críticas da CUT sobre seguro-desemprego

O secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves, o Juruna, rebateu nesta segunda-feira as críticas do presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) Nacional, João Felício, dizendo que "é bom o Felício não ficar ´nervosinho´ porque ele será ouvido no Codefat (Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador) amanhã (terça-feira)".Felício havia dito na tarde desta segunda que a CUT foi excluída do processo de negociação da ampliação das parcelas do seguro-desemprego. "Nós apresentamos a proposta de ampliação do total das parcelas de 5 para 12 há quatro anos. Batalhamos tanto e, na hora de implementar a proposta, querem nos excluir", disse o presidente da CUT."Não excluímos ninguém, porque a proposta será discutida no Codefat, que tem representantes do Ministério do Trabalho, dos trabalhadores e dos patrões", disse Juruna. O secretário-geral da Força Sindical afirmou ser "mentira" de Felício dizer que a idéia foi da CUT em 1998."A Força e a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) participaram da idéia naquela época", garantiu Juruna. O diretor da Força Sindical disse que a CUT "apenas não foi chamada para a reunião desta segunda, até porque a experiência mostra que a CUT acaba sempre ´roendo a corda´, como foi no caso do FGTS e da previdência. Acho que a CUT ajudará na proposta (no Codefat)", disse Juruna.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.